Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Portugal vai enviar equipamento militar para a Ucrânia

27 fev, 2022 - 00:13 • Redação

O anúncio foi feito pelo Governo em comunicado este sábado.

A+ / A-

Veja também:


Portugal vai enviar equipamento militar para a Ucrânia, nomeadamente espingardas G3, coletes, capacetes ou granadas, informou no sábado à noite o Ministério da Defesa Nacional.

Numa curta nota enviada às redações sobre o apoio à Ucrânia, o ministério refere que, "a pedido das autoridades ucranianas, Portugal irá disponibilizar equipamento militar".

Da lista do material fazem parte "coletes, capacetes, óculos de visão noturna, granadas e munições de diferentes calibres, rádios portáteis completos, repetidores analógicos e espingardas automáticas G3", enumera o Ministério da Defesa Nacional.

A Bélgica, os Países Baixos, a França e a República Checa, entre outros, também anunciaram entregas de armas e combustível às forças ucranianas, respondendo aos pedidos de ajuda de Kiev.

Berlim anunciou que a Alemanha tinha decidido entregar "o mais rapidamente possível" à Ucrânia mil lança-roquetes e 500 mísseis terra-ar do tipo "Stinger" para ajudar o país a defender-se da invasão militar da Rússia, uma decisão que foi saudada pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

O Governo alemão anunciou também o envio para a Ucrânia de 14 veículos blindados, bem como de 10.000 toneladas de combustível, que serão entregues "via Polónia".

"A defesa europeia está em ação para apoiar a Ucrânia, (nós) facilitaremos a entrega de ajuda militar", disse na rede social Twitter Charles Michel, presidente do Conselho Europeu (órgão que representa os Estados-membros).

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos 198 mortos, incluindo civis, e mais de 1.100 feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 150.000 deslocados para a Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 fev, 2022 Lisboa 22:17
    Pode não ser material de 1.ª linha, mas por certo o exercito e as milícias Ucranianas saberão dar-lhe bom uso ...

Destaques V+