Tempo
|
A+ / A-

Fenprof pede medidas excecionais para recuperar aprendizagem

24 fev, 2022 - 09:48 • Olímpia Mairos

Entre as medidas destaca-se o prolongamento do plano "Escola +21/23", previsto para este e o próximo ano letivo. Uma proposta que é aceite pelos presidentes das associações de diretores.

A+ / A-

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) considera que num ano letivo, mais uma vez, atípico, são necessárias medidas, de novo, excecionais.

O Jornal de Notícias escreve esta quinta-feira que apesar de a maioria das escolas ter aprovado planos de recuperação de aprendizagem, muitos quase não saíram do papel por causa do "vaivém" constante de isolamentos e casos positivos até ao fim de janeiro.

“Os problemas não se esgotam nas condições reunidas (ou não), mas nas caraterísticas, mais uma vez atípicas, de um ano letivo que teve um primeiro período com centenas de turmas em isolamento e muitos estudantes, docentes e trabalhadores não docentes em intermitência presencial; um ano letivo cujo segundo período se iniciou com o número de novas infeções diárias a atingir as dezenas de milhar, uma quinta vaga cujo pico só foi atingido já em fevereiro, com forte impacto nas comunidades escolares”, lê-se na nota publicada no site da Fenprof.

Neste contexto, a Federação Nacional de Professores defende o prolongamento do plano "Escola +21/23", previsto para este e o próximo ano letivo.

Segundo o JN, os presidentes das associações de diretores aceitam a proposta, até porque só agora as escolas começam a ficar mais estáveis.

Mas a principal crítica da Fenprof prende-se com o facto de “não se reconhecer que os défices que persistem nos estabelecimentos de educação e de ensino não foram provocados pela Covid-19”, mas “têm, na sua origem, outros problemas”, lê-se no site.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+