Tempo
|
A+ / A-

Multa de 1.280 euros para homem que perseguiu ex-mulher durante quatro meses em Braga

21 fev, 2022 - 22:30 • Lusa

O Tribunal de Braga condenou hoje a 1.280 euros de multa um homem que durante quatro meses perseguiu a ex-mulher, numa tentativa de reatar o relacionamento.

A+ / A-

O Tribunal de Braga condenou hoje a 1.280 euros de multa um homem que durante quatro meses perseguiu a ex-mulher, numa tentativa de reatar o relacionamento.

O arguido, de 60 anos, foi condenado pelo crime de perseguição.

Vai ter ainda de frequentar um programa específico de prevenção de condutas típicas da perseguição, a ministrar pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

Estava também acusado de violência doméstica, por agressões à vítima após o casamento, registado em 1990, mas beneficiou da prescrição do crime, tendo consequentemente sido absolvido.

No entanto, o tribunal deu como provado que o arguido, numa ocasião, o arguido, não aceitando que a ofendida se levantasse depois de si e não lhe preparasse o pequeno-almoço, dirigiu-se ao quarto onde ela estava deitada, "puxou-a da cama e, depois, direcionou-a ao corredor, empurrando-a contra as paredes até à cozinha".

Há ainda registo de murros nas costas e nos olhos numa altura em que a vítima estava grávida.

Noutra ocasião, a vítima desabafou que se sentia "muito sozinha" e o arguido agrediu-a com murros na cabeça.

Com a prescrição destes factos, ficou, assim, o crime de perseguição, tendo o tribunal dado como provado que, entre janeiro e abril de 2021, depois da separação, o arguido, por diversas vezes, abordou a ex-mulher e aproximou-se dela, da sua residência e do local onde se encontrava de férias.

"Disse-lhe que tinha que voltar para si, cheirou-a e tocou-lhe sem consentimento, tudo com o intuito de a importunar, de a inquietar, de estabelecer com a mesma contactos que sabia indesejados", refere a sentença. .

Para o tribunal, os contactos consubstanciam a prática reiterada de atos de assédio e perseguição.

A vítima pedia ainda uma indemnização de 10 mil euros, mas o tribunal considerou que não há razões para arbitramento de reparação, por não se ter demonstrado que ela tenha ficado, em virtude do crime pelo qual o arguido foi condenado, numa situação de "especial desproteção ou vulnerabilidade".

O arguido não prestou declarações em julgamento e, em sede de primeiro interrogatório judicial, tinha negado genericamente os factos que lhe são imputados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+