Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Explicador

Álcool pode ter rótulos semelhantes aos do tabaco? Saiba o que está em causa

15 fev, 2022 - 23:00 • João Malheiro

A medida surge depois de vários estudos que indicam o álcool como um fator de risco para vários tipos de cancro. Para lá dos rótulos, pode estar em causa o fim de patrocínio de marcas de bebidas alcoólicas a eventos desportivos e um aumento de impostos.

A+ / A-

Esta quarta-feira o Parlamento Europeu vai votar uma medida que pode implicar que os rótulos de garrafas e embalagens de álcool comportem avisos de risco de cancro, semelhante ao que acontece com os maços de tabaco.

A medida surge depois da conclusão de alguns estudos que indicam o álcool como um fator de risco para vários tipos de cancro.

A Renascença explica os principais pontos de uma decisão que pode ter consequências consideráveis para o setor das bebidas alcoólicas.


Vinhos podem ter de avisar sobre risco de provocar cancro?

Sim. A medida consta no Plano Europeu contra o Cancro e está em debate no Parlamento Europeu.

A ideia é que os rótulos de garrafas e embalagens de álcool tenham avisos e imagens semelhantes às que estão presentes nos maços de tabaco, a alertar para os riscos do consumo de álcool provocar cancro.

Há mais medidas em causa?

Sim. O Parlamento Europeu pode também decidir acabar com os patrocínios de bebidas alcoólicas aos eventos desportivos.

Esta medida teria um efeito considerável, como é o caso de Portugal, em que a Super Bock patrocina F.C. Porto e Sporting CP, assim como a Sagres patrocina o SL Benfica e a seleção nacional.

A nível internacional, a marca Heineken tem "branding" em diversos eventos desportivos, incluindo a Liga dos Campeões.

O Parlamento Europeu pode ainda promover um aumento dos impostos deste setor.

Porque é que surgiram estas medidas?

A discussão no Parlamento Europeu e as possíveis decisões que podem surgir esta quarta-feira acontecem depois da conclusão de um relatório elaborado pela Comissão Especial para a Luta contra o Cancro.

O grupo de trabalho constituído por elementos do Parlamento concluiu que "qualquer quantidade de álcool implica um risco de saúde", sem que haja um "nível seguro de consumo". E é a partir do relatório que surgem as medidas apresentadas acima.

A Comissão Europeia aprovou a conclusão do estudo com 29 votos a favor, um contra e quatro abstenções, o que obriga a uma análise do documento e a uma votação no Parlamento Europeu.

Qual é a reação do setor?

Em Portugal e nos restantes países produtores as reações do setor têm sido negativas.

Ao Expresso, a secretária-geral da Associação de Vinhos e Espirituosas de Portugal classifica a postura do relatório como "radical e fundamentalista" e critica que não haja uma distinção entre consumo excessivo e consumo com moderação.

Em declarações à Executive Digest, Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal, sublinha que “alguns aspetos deste relatório danificam de forma gravosa a imagem e prestígio do sector vitivinícola, a nível nacional e europeu".

Já a Organização Internacional do Vinho e da Vinha indicou num comunicado que reuniu-se com a Organização Mundial de Saúde para explicar "que o vinho não é prejudicial".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+