Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ataque em Lisboa

Cândida Almeida critica PJ: "Ato terrorista falhado não deve ser divulgado"

11 fev, 2022 - 18:00 • Pedro Mesquita com Redação

Antiga diretora do DCIAP admite estar "surpreendidíssima". Cândida Almeida explica que a divulgação de atos terroristas falhados "imprime outra força" à tentativa e pode levar a que "outros pensem fazer o mesmo".

A+ / A-
Cândida Almeida critica PJ por divulgar ato terrorista falhado

A antiga diretora do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Cândida Almeida diz-se "surpreendidíssima" com a divulgação de informação da tentativa de atentado terrorista de um jovem de 18 anos, por parte da Polícia Judiciária (PJ) e defende que, por norma, "atos terroristas falhados não devem ser divulgados".

"Estou muito surpreendida. Não se devem divulgar, porque cria o pânico. É contraproducente.", critica, à Renascença.

Cândida Almeida explica que a divulgação de atos terroristas falhados "imprime outra força" à tentativa e pode levar a que "outros pensem fazer o mesmo".

"A sociedade está a atravessar uma fase calma e veio criar um alerta, que já se viu nos jovens e nos pais", aponta.

A antiga diretora do DCIAP refere mesmo que já houve uma ocasião semelhante há alguns anos atrás em que foi impedido uma tentativa de ato terrorista "e ninguém soube".

Questionada sobre os motivos que possam ter levado a PJ a divulgar este caso, Cândida Almeida admite que, em teoria, a divulgação de um ato falhado pode ser usado para detetar cúmplices, contudo, "se o caso ficar por aqui, foi percipitado" e aceita que a força de segurança pode ter querido "colocar-se em bicos de pés".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+