Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

João Matos Fernandes

Fecho de centrais a carvão não aumentou produção elétrica nas barragens

08 fev, 2022 - 20:08 • Lusa

​O ministro do Ambiente diz que não existe relação entre centrais a carvão e produção elétrica nas barragens.

A+ / A-

O ministro do Ambiente disse que a produção de eletricidade nas barragens diminuiu entre outubro e janeiro, comparando com o ano anterior, apesar de terem, entretanto, fechado as centrais de produção a carvão.

"Os números são objetivos. De outubro até janeiro a produção de eletricidade a partir de fonte hídrica reduziu-se bastante em comparação com o ano passado", disse João Matos Fernandes, em Lisboa, no final de um encontro com a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) por causa da seca.

"Recordo por exemplo que o ano em que Portugal mais importou eletricidade foi o ano 2012, as duas centrais a carvão estavam a funcionar em pleno. Não há qualquer relação aqui", acrescentou.

O ministro respondeu desta forma a perguntas dos jornalistas sobre a alegada necessidade de aumentar a produção de energia nas barragens por terem fechado as centrais de produção a carvão, levando a diminuir ainda mais os níveis de água nas albufeiras num ano de seca e a aumentar as importações de energia de Espanha.

"Falar em importações e exportações no mercado ibérico é um termo de tecnicidade duvidosa, porque o mercado ibérico funciona como um só e sempre que Portugal optou por importar eletricidade a partir de Espanha em vez de a produzir a gás - e há uma muito maior capacidade ainda por utilizar na produção de eletricidade a partir do gás - foi com um único objetivo, garantir que a eletricidade para os portugueses era mais barata, não teve nada a ver com o fim carvão nem com falta de água para a poder produzir", garantiu.

Num esclarecimento publicado na página na internet do Ministério do Ambiente, com data de 7 de fevereiro, o Governo garantiu que "para a determinação do sentido do saldo importador ou exportador [de eletricidade] tem maior relevância o ano hidrológico seco ou húmido", não havendo relação com a produção a carvão.

"O único modo sustentável de diminuir quer as importações, quer os custos de eletricidade, é pela via da aceleração na entrada em funcionamento de toda a potência renovável possível e não através da manutenção de centrais termoelétricas a carvão", lê-se na mesa nota, segundo a qual, "no último ano, o acréscimo de produção a partir de fonte solar foi superior à da central do Pego" e "no primeiro semestre deste ano, haverá produção de mais 600 MW de energia solar, o que corresponde, grosso modo, à produção da referida central", que encerrou em novembro passado.

Matos Fernandes disse hoje que nas cinco albufeiras onde parou a produção elétrica em 1 de fevereiro, por causa da seca, uma delas, Castelo de Bode, está com níveis de água estáveis e "as outras quatro estão até com mais água".

Por outro lado, afirmou que "as projeções meteorológicas neste momento são mais favoráveis do que eram até há uma semana", por haver uma "forte expectativa" de que chova entre quinta e segunda-feira no litoral, no centro e no norte do país, "o que vai permitir certamente recuperar alguma da água nas albufeiras".

"Estamos com isso despreocupados? Não, não estamos. Não temos é de estar mais preocupados do que estávamos há uma semana", defendeu.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em janeiro “verificou-se um agravamento muito significativo da situação de seca meteorológica, com um aumento da área e da intensidade, estando no final do mês todo o território em seca, com 1% em seca fraca, 54% em seca moderada, 34% em seca severa e 11% em seca extrema”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+