Tempo
|
A+ / A-

Ciberataque. Vodafone reafirma que dados de clientes não terão sido corrompidos

09 fev, 2022 - 10:26 • Filipa Ribeiro , Marta Grosso

O grupo de piratas informáticos Lapsu$ escreveu a palavra “Vodafone” na sua conta no Telegram, mas sem reivindicar o ciberataque. “É um ato que repudiamos; um ato terrorista inqualificável”, diz o presidente da empresa de telecomunicações.

A+ / A-

Mário Vaz, presidente executivo da Vodafone, reafirma não haver qualquer indicação de que possam ter ficado comprometidos os dados dos clientes, na sequência do ciberataque de que a empresa foi alvo na noite de segunda-feira.

“Apesar de a investigação continuar, não temos qualquer indício, a esta data, de que tenha havido extração ou corrupção de dados de clientes”, refere num vídeo publicado nas redes sociais nesta quarta-feira.

“Nós fomos alvo de um ciberataque de grande dimensão, grande dispersão, intencional, criminoso, com o objetivo – pelo menos com o resultado – de conseguir inviável a esmagadora maioria dos nossos serviços de comunicações”, afirma ainda o presidente da empresa, voltando a falar em terrorismo

“É um ato que repudiamos; um ato terrorista inqualificável”, diz.


Mário Vaz garante, por fim, a “total determinação de todos os colaboradores da Vodafone de garantir, no mais curto espaço de tempo, a reposição integral dos serviços”.

Segundo a Polícia Judiciária, não houve um pedido de resgate na sequência do ataque e não há, até ao momento, indícios de que o ataque feito à Vodafone esteja relacionado com outros ataques recentes, dirigidos a órgãos de comunicação social, embora não exclua essa possibilidade.

À frente do ciberataque à Impresa esteve o grupo Lapsu$, que, nesta quarta-feira de manhã, escreveu a palavra “Vodafone” na sua conta no Telegram, sem mais nada e sem reivindicar o ato.

A investigação decorre com apoio internacional da Europol e da Interpol.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+