Tempo
|
A+ / A-

Deco quer todas as despesas de educação dedutíveis no IRS

08 fev, 2022 - 16:12 • Lusa

A DECO Proteste não concorda que a taxa de IVA defina o que é ou não dedutível na área da educação e pede que os consumidores que assinem uma carta aberta para que o tema chegue ao Parlamento.

A+ / A-

A Deco Proteste anunciou esta terça-feira o lançamento de uma iniciativa que exige a dedução de todo o material escolar no IRS, pretendendo ver “essa pretensão acolhida no próximo Orçamento do Estado”.

A iniciativa da Deco Proteste, ‘Mais despesas de educação no IRS’, pretende que os partidos alterem a lei no Orçamento do Estado e contemplem a dedução no IRS de todas as despesas com material escolar e outros serviços necessários à educação”, refere em comunicado hoje divulgado.

A iniciativa inclui uma carta aberta, onde diz que “não pode aceitar que as despesas de educação com material escolar obrigatório continuem a ser taxadas com IVA a 23%”, acrescentando que as deduções com educação “só contemplam produtos e serviços com uma taxa de IVA reduzida”.

“Esta tecnicalidade não pode continuar a servir de barreira à consagração duma verdadeira justiça fiscal, pelo que é imperativo que os partidos com assento parlamentar se comprometam a corrigi-la”, reivindica a organização.

A Deco sugere “o alargamento das deduções escolares também a produtos e serviços com IVA a 23%” ou “a redução do IVA (dos 23% para os 6%) em todos os produtos e serviços de âmbito escolar, de modo a garantir que todas (e quaisquer) despesas com material escolar essencial sejam passíveis de dedução na rubrica de despesas de educação em sede de IRS”.

No documento é ainda referido que, com a atual limitação na dedução, “ficam de fora materiais escolares essenciais, como cadernos, mochilas, canetas, calculadoras e material de desenho”.

A organização de defesa dos consumidores argumenta que, “se nada mudar”, os portugueses apenas poderão deduzir livros escolares vendidos com IVA reduzido de 6%, taxas de inscrição e propinas de jardins-de-infância, escolas do ensino básico, secundário ou superior, ensino de línguas, música, canto e teatro prestado em estabelecimento reconhecido e integrado no sistema nacional de educação, explicações comprovadas com recibo do explicador ou centro de explicações e amas com fatura-recibo ou ao serviço de jardins-de-infância ou instituições equiparadas.

A Deco Proteste acrescenta que em Portugal há mais de dois milhões de estudantes em todos os níveis de ensino e que a despesa com material básico “está longe de ser modesta, chegando aos 200 euros”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+