Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Ómicron agrava problema da falta de funcionários em lares

03 fev, 2022 - 10:22 • Fátima Casanova , Olímpia Mairos

Idosos chegam cada vez com mais idade às instituições por dificuldades económicas das famílias, o que torna a assistência ainda mais difícil.

A+ / A-

Os lares estão a debater-se com a falta de funcionários. O problema agravou-se com a elevada taxa de transmissibilidade da variante Ómicron.

Em declarações à Renascença, o presidente da Associação de Apoio Domiciliário de Lares e Casas de Repouso de Idosos (ALI) admite que o trabalho é duro e daí a dificuldade em contratar novos trabalhadores.

“Não é de hoje nem de ontem, já vem de há bastante tempo, porque temos que ter em conta que é um trabalho violento e difícil e é preciso alguma predisposição pessoal para assumir um trabalho destes, e isso não é fácil, realmente”, explica.

João Ferreira realça que o problema “tem a ver, sobretudo, com funcionárias que saem” e a dificuldade em “recrutar novos colaboradores”.

O presidente da ALI diz, por outro lado, que os idosos estão a chegar aos lares com mais idade e mais dependentes, porque muitas famílias estão a esticar, até ao limite, o momento dos idosos irem para o lar, por motivos financeiros.

“As famílias estão a esticar, até ao limite, a altura em que já não há outra alternativa, se não pensar no lar de idosos. Eu percebo isso com as dificuldades económicas que muita gente tem”, diz.

Só que esta realidade tem, depois, reflexos em termos da atividade dos lares. As pessoas chegam mais dependentes e o trabalho de assistência e de cuidados a prestar aos idosos torna-me mais difíceis.

“Os idosos estão a chegar com muito mais idade, muito mais doentes, muito mais dependentes, e, de facto, o trabalho, que já não era fácil, está ainda mais difícil, até em termos de esforço físico - já nem falo no aspeto emocional”, conclui o presidente da ALI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+