Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Falta de médicos. Porto de Mós paga plano de saúde a residentes

28 jan, 2022 - 07:00 • Teresa Paula Costa

O plano inclui acesso a consultas e exames a preços reduzidos. A medida vai custar 120 mil euros por ano à Câmara e visa dar resposta à falta de médicos no centro de saúde. Avança em junho.

A+ / A-

A Câmara Municipal de Porto de Mós decidiu avançar com um plano complementar de saúde para os residentes no concelho. A medida visa dar resposta à falta de médicos no centro de saúde e nas extensões nas freguesias.

Em declarações à Renascença, o presidente da autarquia, Jorge Vala, revela que o plano “tem como resposta, por exemplo, o médico ao domicílio uma vez por mês, por apenas dez euros.”

Outros benefícios são “a possibilidade de os habitantes fazerem exames complementares de diagnóstico com reduções na casa dos 30, 40 ou 50%, e consultas de especialidade também com desconto de 50%.”

Cento e vinte mil euros é o montante que a autarquia irá disponibilizar, anualmente, para financiar a parte que corresponde aos mais de 23 mil habitantes do concelho, sendo que, para estes, o cartão é gratuito. O plano estará ativo a partir de junho deste ano.

Centro de saúde tem médicos, mas não estão a trabalhar

Segundo o autarca, “só no centro de saúde de Porto de Mós, que tem de dar resposta também às povoações de Arrimal, Mendiga e Alqueidão, faltam cinco médicos”. “Temos de baixa prolongada três médicos neste momento, uma vaga que foi deixada por um médico a quem foi autorizada a mobilidade, e temos uma médica ausente porque rescindiu o contrato, dizendo-nos que o fazia por se sentir esgotada”, acrescentou.

Esgotados estão também os poucos médicos que ainda resistem na instituição. José Carlos Ramos, que ajudou a abrir o centro de saúde, desabafa: "somos dois colegas aqui neste momento a ver ficheiros de seis ou sete."

Recentemente, o Ministério da Saúde abriu uma vaga, e não as quatro que foram pedidas, o que o autarca de Porto de Mós diz não compreender. "Esta vaga ficou preenchida, mas agora a médica está de baixa prolongada", lamenta.

A situação repete-se pelas extensões de saúde do concelho e levou, recentemente, à realização de uma manifestação. Vários presidentes de juntas de freguesia pretendiam também boicotar as eleições legislativas de domingo, tendo, a pedido do presidente da Câmara Municipal, abandonado essa ideia.

O autarca conta ainda que “quando fizemos a manifestação, a coordenadora do ACES (Agrupamento de centros de saúde) do Pinhal Litoral telefonou à vereadora e disse-lhe que estava em curso um processo de contratação de dois médicos para resolver de imediato o problema”. Só que, “até agora, não houve mais notícia nenhuma e já mandámos um email ao ACES a perguntar onde estão esses dois médicos que foram prometidos”, relata.

Doentes juntam-se às 5h00 da manhã à frente do centro de saúde

A falta de médicos obriga os utentes a juntarem-se, logo de madrugada, à porta do centro de saúde, para marcarem vez e conseguirem uma consulta.

Bertolino Ribeiro costuma chegar cedo, “lá para as 5h00 da manhã e já lá estão pessoas a marcar vez para terem uma consulta”. Mas, muitas vezes, “uns não conseguem porque há um número de vagas limitado”.

O cenário é o mesmo durante todos os dias úteis da semana, exceto à quinta-feira pois é o dia dedicado aos diabéticos e estes já têm consulta previamente marcada. A Renascença sabe que o receituário está também atrasado.

No concelho, autarcas e população aguardam agora pelos dois médicos que o Aces – Pinhal Litoral – disse que ia contratar. Mas a paciência poderá, em breve, esgotar-se e a luta vir, novamente, para as ruas da vila.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+