Tempo
|
A+ / A-

Metade das crianças que vão às urgências do Hospital São João tem Covid-19

26 jan, 2022 - 20:31 • Núria Melo, com redação

Fernando Araújo diz que, além de mais crianças infetadas, há um aumento de doentes com problemas respiratórios e oncológicos.

A+ / A-

Veja também:


Metade das crianças que dão entrada na urgência do Hospital de São João, no Porto, estão infetadas com Covid-19.

O presidente do Centro Hospitalar, Fernando Araújo, garante que aquela unidade de cuidados de saúde está a ser capaz de dar resposta à pressão na ala pediátrica.

“Temos aqui na urgência pediátrica cerca de 200 a 300 casos por dia, e mais de metade é por patologia respiratória. Temos tido uma taxa de positivos superior a 50%, significa uma enorme procura de doentes Covid, mas tem havido uma resposta adequada, os tempos de espera são limitados e, quando é necessário, são encaminhados para as Equipas de Saúde Familiar, que seguem os casos menos graves.”

Fernando Araújo diz que, para além do aumento de crianças infetadas, há ainda um aumento de doentes com problemas respiratórios e oncológicos.

O presidente do Centro Hospitalar admite a pressão na urgência, mas salienta a segurança e o controlo da situação.

“Temos no lado da urgência uma enorme pressão nesse sentido e temos atualmente só dez crianças com Covid, algumas delas por outras causas, mas também estão infetadas. Há crianças com patologia oncológica que, por terem Covid, são transferidas para serem tratadas neste ambiente. É com alguma exigência e complexidade, mas com enorme segurança.”

O presidente do conselho de administração do Hospital de São João falava aos jornalistas durante uma visita do Bispo do Porto à ala pediátrica. D. Manuel Linda salientou a importância da vertente humana vivida neste novo espaço.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+