Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Miocardites 60 vezes menos frequentes em crianças vacinadas

25 jan, 2022 - 23:00 • Redação

A vacinação contra o vírus SARS-CoV-2 é segura e eficaz em idade pediátrica, diz parecer de unidade da DGS.

A+ / A-

Veja também:


Um parecer do Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares, da Direção-Geral da Saúde (DGS), indica que as miocardites são 60 vezes menos frequentes em crianças vacinadas contra a Covid-19 do que em infetadas.

“A vacinação contra o vírus SARS-CoV-2 é segura e eficaz em idade pediátrica. As reações adversas são raras, muito em particular no grupo de crianças entre os 5 e os 11 anos", destaca o documento, ao qual a Renascença teve acesso.

Segundo o parecer, as reações adversas são raras, muito em particular no grupo de crianças entre os 5 e os 11 anos.

“Concluímos que as reações adversas são muito raras. Muito mais raras do que noutros grupos etários. A miocardite neste grupo etário é muito mais rara do que nos outros grupos etários”, confirma à Renascença a adjunta Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares, Fátima Pinto.

OuvirPausa
Os pais podem estar tranquilos: a vacina pode ser feita.

A miocardite após vacinação é também muito rara e geralmente ligeira, com rápida recuperação, parece não ter sequelas e atinge particularmente rapazes na adolescência e jovens adultos.

"Neste contexto, a vacinação assume-se como uma medida que permite diminuir a potencial gravidade do impacto da Covid-19 nas crianças e adolescentes, sobretudo tendo em conta a evidência científica robusta de que a vacina é segura", lê-se no parecer.

O documento também realça que hospitais pediátricos nacionais apontam que "o risco de envolvimento cardíaco em doentes com infeção por Covid, em qualquer idade, é uniformemente pior e mais frequente do que após a vacinação".

“Nós não podemos, do ponto de vista científico, excluir ou dizer que não pode existir miocardite após vacinação. Pode existir. Quais são os números relativos disto? Enquanto a miocardite na infeção por Covid ocorre em 60 crianças em cada 100 mil infetadas, a miocardite da vacinação ocorre em menos de uma por cada 100 mil”, sublinha Fátima Pinto.

O parecer refere igualmente que a agência norte-americana de prevenção e controlo de doenças – CDC (Centers for Disease Control and Prevention) – reportou 11 casos de miocardite em 8.700.000 de vacinas administradas entre os 5 e os 11 anos, e que “todas foram ligeiras e transitórias”.

“Não se conhece mortalidade diretamente relacionada com a vacina”, acrescenta.

“Ao nível mundial, todos concordam que a vacina tem benefícios muito superiores ao facto de se poder ter, em comparação, a infeção. Tem efeitos adversos muito pouco relevantes, portanto, só posso dizer que todos os dados científicos neste momento apontam para que ela é segura e eficaz. Os pais podem estar tranquilos, os profissionais de saúde podem estar tranquilos: pode ser feita”, conclui a adjunta Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares, em declarações a Renascença.

OuvirPausa
Enquanto a miocardite por Covid ocorre em 60 crianças em cada 100 mil infetadas, na vacinação ocorre em menos de uma por cada 100 mil.

Os peritos que elaboraram o parecer defendem, por isso, que a vacinação demonstrou ser eficaz na prevenção da doença grave e na mortalidade e que os efeitos secundários adversos “são raros e pouco significativos”.

Citam estudos recentes para afirmar que em adolescentes vacinados a possibilidade de ter síndrome inflamatória multissistémica (MIS-C) após infeção baixa em 91%.

Quase 4,5 milhões de pessoas já receberam a dose de reforço da vacina contra a Covid-19, cerca de 70 mil das quais na segunda-feira, anunciou a Direção-Geral da Saúde (DGS) esta terça-feira.



[Notícia atualizada às 12h de dia 26, com declarações da adjunta Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares à Renascença]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+