Tempo
|
A+ / A-

População do litoral alentejano em protesto por carências na saúde

15 jan, 2022 - 17:24 • Maria João Costa com redação

Falta de médicos, e outros profissionais de saúde, aumento dos tempos de espera

A+ / A-

Há 5 mil utentes sem médico de família, e essa é uma das razões que levou a população do litoral alentejano a concentrar este sábado em protesto, em Vila Nova de Mil Fontes.

Esta tarde, reuniram-se junto à Capela do Colégio da Nossa Senhora da Graça a contestar também o estado de degradação das unidades de saúde e contra os tempos de espera no Hospital do Litoral Alentejano

Dinis Silva, das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano refere que a falta de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde é um problema na região.

“Que se contrate mais profissionais de saúde, há cerca de 100 enfermeiros em falta em toda a unidade de saúde do Litoral Alentejano, hã falta de médicos de diversas especialidades. Só há um médico cardiologista para 100 mil utentes, um médico urologista para 100 mil utentes”, explica.

A mesma fonte diz que as carências se estendem aos assistentes operacionais, assistentes técnicos e técnicos de diagnóstico e terapêutica.

Houve promessas de investimento em novas unidades de saúde, dizem os utentes do litoral alentejano, mas até ao momento sem resultados. A pandemia de Covid-19 veio agravar ainda mais os tempos de espera e as listas de espera no Hospital do Litoral Alentejano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+