Tempo
|
A+ / A-

Mapa Covid-19: Só oito concelhos estão abaixo do nível máximo de incidência

14 jan, 2022 - 17:31 • Lusa

Em sentido contrário, com a incidência cumulativa mais baixa do país, está o concelho de Velas, com 276 casos por 100 mil habitantes a 14 dias.

A+ / A-

Veja também:


Apenas oito dos 308 concelhos de Portugal estão abaixo do nível máximo da incidência de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, avança o boletim de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a situação da pandemia.

Segundo os dados da DGS, cinco concelhos - Alvito, Avis, Corvo, Gavião e Góis - registam uma incidência cumulativa a 14 dias entre as 480 e as 959,9 infeções por 100 mil habitantes, o segundo nível dos sete definidos pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças para este indicador.

No patamar abaixo, com uma incidência entre os 240 e os 479,9 casos de infeção, encontram-se os concelhos da Calheta, de Santa Cruz da Graciosa e das Velas, todos nos Açores.

Todos os restantes estão no nível máximo -- acima dos 960 casos por 100 mil habitantes -, destacando-se os concelhos da região autónoma da Madeira de Câmara de Lobos (8.520), Funchal (7.758) e Porto Moniz (6.445).

Em sentido contrário, com a incidência cumulativa mais baixa do país, está o concelho de Velas, com 276 casos por 100 mil habitantes a 14 dias.

Em relação à última sexta-feira, o número de concelhos que passou para o patamar mais elevado de incidência subiu dos 282 para os atuais 300.

A covid-19 provocou 5.519.380 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.237 pessoas e foram contabilizados 1.814.567 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 34 mortos e 40.090 infetados com Covid-19. O relatório diário da Direção-Geral da Saúde aponta ainda para nova descida do índice de transmissibilidade para 1,19. Há mais de 10 dias que este valor tem vindo a descer.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+