Tempo
|
A+ / A-

Eduardo Cabrita arguido. Advogado surpreso com rapidez do Ministério Público

14 jan, 2022 - 19:54 • Filomena Barros , com redação

Em declarações à Renascença, o advogado da família da vítima do acidente na A6 não acredita que a decisão tenha sido tomada agora pelo facto de Eduardo Cabrita já não ser ministro.

A+ / A-

O advogado da família do trabalhador atropelado mortalmente na A6 assume surpresa com a rapidez com que o ex-ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita foi constituído arguido.

Em declarações à Renascença, José Joaquim Barros admite que esta decisão surgiu mais cedo do que o esperado.

“Esse era o nosso objetivo e foi atingido muito mais rapidamente do que esperávamos”, afirma.

O advogado não acredita que a decisão tenha sido tomada agora pelo facto de Eduardo Cabrita já não ser ministro.

OuvirPausa
José Joaquim Barros em declarações à Renascença

“Em minha opinião, essa decisão é do senhor procurador-geral adjunto e penso que ele assumiu um sentimento ético da própria comunidade de não deixar impune quem efetivamente tem o controlo da situação, não agiu e, pelo contrário, abusou completamente do seu poder, quer no que diz respeito à velocidade quer no que diz respeito ao esquema de segurança que ocupava todas as duas faixas da autoestrada, no sentido Estremoz-Lisboa.”

O ex-ministro Eduardo Cabrita e o "responsável pela segurança da comitiva" vão ser constituídos arguidos no processo do atropelamento mortal na A6, segundo o despacho do diretor do DIAP de Évora que reabriu o inquérito.

No despacho, a que a agência Lusa teve acesso, o diretor do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, José Carlos Laia Franco, determina esta constituição como arguidos.

"Importará, previamente, com todas as consequências legais processuais que lhe são inerentes", proceder "à constituição formal como arguidos daqueles dois indivíduos", pode ler-se.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz
    15 jan, 2022 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 12:02
    As eleições assim obrigam os Camafeus do MP a colocar na praça publica os seus froféius nas horas próprias.

Destaques V+