Tempo
|
A+ / A-

INE

2021. Quase 10% das mortes em Portugal atribuídas à Covid-19

14 jan, 2022 - 11:50 • Lusa

Em dezembro, o número de mortes atribuídas à Covid-19 diminuiu quase 80% em relação ao que se verificou no mesmo mês de 2020.

A+ / A-

Veja também:


A Covid-19 foi considerada causa de morte de 12.004 pessoas em 2021, correspondendo a 9,6% dos 125.032 óbitos registados no ano passado, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No ano passado houve mais 1.353 mortes do que em 2020, um aumento de 1,1% e mais 12.741 do que em 2019, ano anterior à pandemia, representando um aumento de 11,3%.

No ano de 2020 tinham morrido 6.972 pessoas com Covid-19, correspondendo a 5,6% do total de 123.679 óbitos.

Em dezembro de 2021, o número de mortes atribuídas à Covid-19 diminuiu quase 80% em relação ao que se verificou em dezembro de 2020.

No mês passado morreram 518 pessoas com a doença provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2 (mais do dobro das 222 que morreram nas mesmas condições no mês anterior), mas muito longe das 2.395 cuja morte foi atribuída à Covid-19 no mês homólogo de 2020, representando uma redução de 78,3%.

A nível mundial, a a Covid-19 provocou 5.511.146 mortes desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência de notícias France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+