Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Cuidados primários de saúde com “acesso muito dificultado”

12 jan, 2022 - 09:42 • Marta Grosso com redação

Na origem das dificuldades está a canalização de muitos recursos humanos para a vacinação contra a Covid-19 e a gestão da pandemia nestes quase dois anos.

A+ / A-

Nos centros de saúde, o cenário é de preocupação, alerta a Associação de Enfermeiros de Cuidados de Saúde Primários. À Renascença, Vítor Marques diz que a falta de recursos está a limitar o acesso a estes cuidados.

“Verifico que há uma grande dificuldade, porque os recursos humanos foram canalizados para a vacinação, foi dada prioridade à vacinação e com isto os centros de saúde estão com dificuldade”, aponta.

A situação “já vem desde que começou a pandemia, mas está cada vez mais complicada, porque nós sentimos que as pessoas, ao longo destes meses todos, têm estado os cuidados a que estavam habituados”, afirma.

Ou seja, “de facto têm um acesso muito dificultado aos cuidados primários, nomeadamente nas consultas de rotina, inclusivamente para diabéticos, grávidas, saúde infantil. Tudo está muito reduzido”, conclui.

Na terça-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, reconheceu que os cuidados de saúde primários vivem alguma “fragilidade” o que “acaba por levar muitos doentes” a deslocarem-se “aos serviços hospitalares”, o que “traz uma pressão acrescida” aos hospitais numa altura crítica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+