Tempo
|
A+ / A-

Câmara de Lisboa prevê obras em 16 escolas num investimento de cerca de 22 milhões

11 jan, 2022 - 06:18

A autarquia estima um acréscimo de cerca de 16% face aos 54 milhões de euros previstos para este ano.

A+ / A-

O executivo municipal de Lisboa prevê um orçamento de 62,7 milhões de euros para a educação durante este ano, com intervenções em 16 escolas, num investimento de “cerca de 22 milhões de euros”, disse o vereador Diogo Moura.

“Também igualmente importante, aquela que é uma intervenção que tem vindo por várias vicissitudes a ser adiada, é a retirada de amianto de algumas escolas de Lisboa, neste caso de 13 escolas da nossa cidade e que tem um valor orçado de três milhões de euros”, afirmou o vereador da Educação (CDS-PP), no âmbito de uma audição sobre o orçamento municipal para 2022, realizada na segunda-feira, por videoconferência, com os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa.

O autarca começou por dizer que a proposta de orçamento municipal para este ano, em termos de dotação, estima 62,7 milhões de euros para educação, o que representa um acréscimo de cerca de 16% face aos 54 milhões de euros previstos para 2021.

Entre as principais despesas estão a alimentação escolar, com 10 milhões de euros; os transportes escolares, com cerca de um milhão de euros; as componentes de apoio à família (CAF) e as atividades de animação e apoio à família (AAAF), com três milhões de euros; as atividades de enriquecimento curricular (AEC) , com 2,5 milhões de euros; e no material de desgaste, com 1,3 milhões de euros, indicou o vereador da Educação.

Além disso, há intervenção da Câmara de Lisboa em edificado escolar: “Estão previstas intervenções em 2022 em 16 escolas - estamos a falar de um valor de cerca de 22 milhões de euros só em 2022”, revelou Diogo Moura.

Na proposta de orçamento municipal na área da Educação está também a ideia de manter e de lançar iniciativas de fomento da cultura, desde logo o projeto cultural da Orquestra Geração em Lisboa, assim como o programa municipal do passaporte escolar para levar os alunos ao contacto com os equipamentos culturais da cidade e o fomento da rede de bibliotecas escolares.

Este é o primeiro orçamento municipal do mandato 2021-2025, sob a presidência do social-democrata Carlos Moedas, em que a proposta apresentada prevê uma despesa de 1,16 mil milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+