Tempo
|
A+ / A-

Almada. Hospital Garcia de Orta suspende visitas a doentes

11 jan, 2022 - 19:28 • Lusa

A decisão prende-se com a evolução da pandemia e a “tendência crescente de internamento de doentes Covid-19”.

A+ / A-

O Hospital Garcia de Orta, em Almada, suspendeu as visitas aos doentes internados, exceto nos serviços de pediatria e obstetrícia, face à evolução pandémica da Covid-19, segundo fonte oficial.

Este hospital, que serve uma população estimada em cerca de 350 mil habitantes dos concelhos de Almada e Seixal, no distrito de Setúbal, tem atualmente 50 doentes internados infetados com SARS-COv2, dos quais 45 em enfermaria, três em Unidades de Cuidados Intensivos e dois em hospitalização domiciliária.

De acordo com dados do gabinete de comunicação do Hospital Garcia de Orta (HGO), a partir da terceira semana de novembro a unidade hospitalar verificou uma tendência crescente de internamento de doentes covid-19, tendo o ritmo desse crescimento acentuado a partir dos últimos dias de 2021.

A taxa de ocupação atual (unidades de adultos) no HGO é de 95,5% estando as enfermarias de Medicina Interna totalmente ocupadas (100%), pelo que foi ativada mais uma fase do Plano de Contingência, módulo outono/inverno 2021/2022.

Em resposta a questões da agência Lusa sobre o impacto da evolução da pandemia na gestão da unidade hospitalar, o gabinete de comunicação do HGO explicou que, “de modo a dar resposta aos doentes `covid´ e doentes `não covid´, o Hospital Garcia de Orta tem vindo a realizar ajustes, com o objetivo de dar seguimento às necessidades dos utentes que recorrem a esta unidade hospitalar”.

No que respeita à resposta aos "doentes covid", acrescentou, o HGO aumentou a lotação e, no momento, tem duas enfermarias dedicadas de adultos, além de áreas dedicadas a “doentes covid” em Medicina Intensiva, Pediatria e Obstetrícia.

No que respeita a continuidade da prestação de cuidados a doentes “não covid”, o aumento de internamentos motivou a ativação de mais uma fase do plano de contingência, com o reajuste de serviços cirúrgicos e a conversão de camas cirúrgicas em camas médicas ("não covid").

“É importante realçar que a conversão de camas cirúrgicas, em camas médicas visa responder a um acréscimo de doentes da área médica, com critérios de internamento”, salientou.

As medidas adotadas, acrescentou o HGO, implicam adaptar a atividade dos profissionais às necessidades existentes, para que seja assegurado a todos os utentes a resposta clínica adequada.

Urgências congestionadas

Questionado se há um aumento de afluência de doentes não urgentes às urgências, o hospital explicou que tem vindo a registar um maior número de doentes nas urgências e, em simultâneo, um número maior de doentes não urgentes.

Nesta afluência às urgências, explicou o gabinete, o hospital constata a existência de utentes que se dirigem ao Serviço de Urgência Geral (SUG) do HGO, sem critérios de urgência, encaminhados pela linha SNS24, e que poderiam ser observados nas Áreas Dedicadas aos Doentes Respiratórios (ADR) das unidades de cuidados de saúde primários (ADR-C).

Ainda segundo o mesmo gabinete, o hospital tem recebido utentes que chegam pelos seus próprios meios e não reúnem critérios de observação em serviço de urgência, sendo doentes triados, de acordo com o protocolo de Triagem de Manchester, como pouco urgentes (verdes) e não urgentes (azuis) e que poderiam ser acompanhados nas unidades de cuidados de saúde primários.

Às urgências têm ainda chegado outros utentes para realizarem teste à infeção por SARS-COV2 por terem recebido informação da linha SNS24 que poderão realizar o teste, entre outras instituições, também no HGO, dado que o hospital funciona 24 horas por dia.

Mas, devido à elevada afluência ao Serviço de Urgência Geral nos últimos dias, referenciados pela linha SNS24, o HGO tem vindo a reencaminhar os utentes sem caráter de urgência para as Áreas Dedicadas para Doentes Respiratórios (ADR-C) e a encaminhar os utentes que procuram realizar teste covid-19 para os Postos de Colheita destinados para o efeito.

“O HGO alerta recorrentemente à população que, em caso de doença, os cidadãos devem contactar primeiro as equipas de família da unidade de saúde dos cuidados de saúde primários, reservando as situações agudas, urgentes e emergentes para o atendimento no SUG do HGO”, adiantou, ainda, o estabelecimento hospitalar.

Esta terça-feira, o Centro Hospitalar Médio Tejo (CHMT) também decidiu suspender, de modo temporário, as visitas aos doentes internados nos hospitais de Torres Novas, Abrantes e Tomar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+