Tempo
|
A+ / A-

MAI suspende sete GNR suspeitos de agredirem imigrantes em Odemira

07 jan, 2022 - 15:58 • Celso Paiva Sol, com Lusa

As suspensões provisórias de funções por 90 dias, que podem ser prorrogadas, foram propostas pela Inspeção-geral da Administração Interna e agora determinadas pela ministra Francisca Van Dunem.

A+ / A-

Os sete militares da GNR suspeitos de agredir e sequestrar imigrantes em Odemira foram suspensos por 90 dias, avançou à Renascença fonte do MAI.

Esta sexta-feira à tarde foi noticiada a suspensão de cinco militares, mas entretanto a Renascença confirmou que o Ministério da Administração Interna (MAI), tutelado pela ministra Francisca Van Dunem após a demissão de Eduardo Cabrita, recebeu a proposta da Inspeção-geral da Administração Interna (IGAI) para a suspensão de outros dois elementos da GNR.

A medida cautelar de suspensão provisória de funções por 90 dias é determinada por ainda não estarem concluídos os processos disciplinares.

A notícia da suspensão de cinco militares tinha sido avançada esta sexta-feira pela CNN Portugal.

A 17 de dezembro, a IGAI abriu sete processos disciplinares aos militares da GNR suspeitos de agredir e sequestrar imigrantes em Odemira e instaurou um inquérito para apuramento de responsabilidades disciplinares do comandante do posto em que aqueles exerciam funções.

Sete militares da Guarda Nacional Republicana são acusados de 33 crimes por alegadamente humilharem e torturarem imigrantes em Odemira, três destes elementos da GNR são reincidentes e já tinham sido condenados a penas suspensas por agressões a imigrantes em 2018.

A investigação teve origem em 2019, quando a Polícia Judiciária apreendeu os telemóveis de cinco militares suspeitos de maus-tratos a imigrantes em Odemira, tendo encontrado vídeos e imagens que deram origem a este novo processo.

No julgamento, cuja sentença foi lida em julho de 2020, além destes três elementos da GNR, foram também condenados dois outros militares, estando um deles a cumprir uma pena de seis anos.

A maioria dos 33 crimes de que os militares são acusados terão sido cometidos em coautoria material, tendo os restantes cinco sido alegadamente praticados em autoria material.

O Ministério Público considera que todos os militares envolvidos no processo agiram por “caprichos torpes”, com “desprezo” e “em manifesto ódio” pelas nacionalidades das vítimas da região do Indostão.

[notícia atualizada às 18h46 - sobe de cinco para sete o número de GNR suspensos]

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    09 jan, 2022 Porto 03:20
    Mais uma vez obrigada, pois não vi os vídeos.
  • Desabafo Assim
    08 jan, 2022 porto 13:31
    Suspende é a palavra certa, as forças de segurança têm um papel complicadissimo, manutenção mental antes de tudo, os suicídios nesta classe é um facto. Foi um erro sem dúvida mas nada de entusiasmos, os erros são pagáveis, o que importa é tê-los de novo sem esses erros.
  • Laurindo Bravo
    07 jan, 2022 Lisboa 20:22
    Medida bem certa

Destaques V+