Tempo
|
A+ / A-

MP investiga ataque informático aos sites do grupo Impresa

05 jan, 2022 - 21:07 • Lusa

Só na noite de terça-feira, mais de 48 horas depois do ataque informático, é que os "sites" do grupo Impresa voltaram ao ativo com o mesmo endereço, mas em formato provisório.

A+ / A-

O Ministério Público (MP) está a investigar o ataque informático ao grupo Impresa, que deixou indisponíveis entre domingo e terça-feira os "sites" do jornal Expresso e da estação televisiva SIC, revelou hoje a Procuradoria-Geral da República (PGR).

"Confirma-se a existência de inquérito relacionado com a referida factualidade, a correr termos no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] da Comarca de Lisboa Oeste (Ministério Público de Oeiras)", disse fonte oficial da PGR em resposta à Lusa.

O grupo Impresa tinha adiantado em comunicado no domingo que estava já a trabalhar com "as autoridades competentes, nomeadamente com a Polícia Judiciária e com o Centro Nacional de Cibersegurança", acrescentando que iria apresentar uma queixa-crime e classificando o sucedido como um "atentado nunca visto à liberdade de imprensa em Portugal na era digital".

Segundo a CNN Portugal, "os "sites" do jornal Expresso e da SIC e SIC Notícias foram atacados por um grupo de "hackers" conhecido como o Lapsus Group, sendo exigido "o pagamento de um resgate para a desbloquear o acesso". De acordo com a estação, "o "site" da revista Blitz também foi afetado pelo ataque "ransomware"" (um tipo de "malware", ou "software" malicioso, que restringe o acesso ao sistema infetado com uma espécie de bloqueio e cobra um resgate em criptomoedas para que o acesso possa ser restabelecido)..

"Os dados serão vazados caso o valor necessário não for pago. Estamos com acesso nos painéis de "cloud" (AWS) entre outros tipos de dispositivos. O contacto para o resgate está abaixo", podia ler-se na mensagem disposta pelo grupo no endereço do semanário.

Só na noite de terça-feira, mais de 48 horas depois do ataque informático, é que os "sites" do grupo Impresa voltaram ao ativo com o mesmo endereço, mas em formato provisório.

Numa nota publicada na página provisória do Expresso, a direção do semanário explicou que os "sites" temporários permitirão levar aos leitores as notícias que têm sido publicadas, nos últimos dias, nas redes sociais do jornal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+