Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Especialista defende que se deixe de avaliar pandemia pelo número de casos

05 jan, 2022 - 13:23 • Inês Rocha , Inês Braga Sampaio

“Clara dissociação do número de casos com a sua gravidade”, devido a variantes menos patogénicas e mais transmissíveis, permite "controlar a infeção” e "viver de uma forma próxima da normalidade".

A+ / A-

Henrique Barros, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), considera que não faz sentido continuar a avaliar a gravidade da pandemia da Covid-19 pelo número de novos casos.

No encontro do Infarmed para avaliação da evolução epidemiológica em Portugal, o investigador assinalou a “clara dissociação do número de casos com a sua gravidade” e sublinhou que se está a verificar um caminho no sentido de variantes menos patogénicas e mais transmissíveis. Com reforço da vacinação e testagem massiva, “é possível controlar a infeção”.

"Não vale a pena continuarmos com um esforço de erradicação [da pandemia]", disse, acrescentando: "O essencial é antecipar e responder."

Cinco vezes mais testes do que no ano passado


Para Henrique Barros, é "tranquilizador" que o aumento de casos não se esteja a repercutir na gravidade da infeção.

"Estamos a viver circunstâncias que facilitam a circulação do vírus. Neste momento, apenas a Suécia vive uma situação ainda mais aberta do que o nosso país", explicou o especialista em saúde pública.

Ainda assim, os casos não se associam, na sua maioria, a doença grave, mesmo com uma testagem cinco vezes maior por mil habitantes do que há um ano. Por isso, Henrique Barros acredita que, com vacinação e testes, "podemos viver de uma forma próxima da normalidade".

Não obstante, o especialista da ISPUP lembrou algumas incertezas que se mantêm, nomeadamente sobre o efeito da variante Ómicron em não vacinados, sobre o qual ainda não há dados suficientes.

Por outro lado, também não há dados sobre a "long covid", os efeitos prolongados que se têm detetado em pessoas já recuperadas da doença, em casos da nova variante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+