Tempo
|
A+ / A-

Força Aérea transportou 803 doentes em 2021, o maior número dos últimos anos

31 dez, 2021 - 22:35 • Lusa

Foram contabilizadas 725 horas de voo em missões de vigilância do espaço aéreo, 193 missões de vigilância marítima em território nacional e internacional e 160 missões de reconhecimento e avaliação.

A+ / A-

A Força Aérea Portuguesa transportou, em 2021, um total de 803 doentes, o maior número dos últimos anos, e realizou 38 missões de transporte de órgãos para transplante.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira aquele ramo das Forças Armadas portuguesas informa que, neste ano que termina dentro de horas, transportou 751 pessoas que necessitavam de cuidados médicos urgentes, em 584 missões realizadas "entre ilhas de cada Arquipélago, entre os Arquipélagos e o Continente e entre o estrangeiro e Portugal".

"Foi o maior número registado nos últimos anos, representando mais 112 pessoas do que em 2020", sublinha.

Para além disso, a Força Aérea resgatou ainda 26 pessoas que se encontravam a bordo de embarcações e realizou 37 missões de busca e salvamento, que salvaram 26 pessoas, em terra e no mar.

No ano ainda em curso a Força Aérea revela que realizou "38 transportes de órgãos para transplante".

No comunicado refere também que contabilizou neste ano 725 horas de voo em missões de vigilância do espaço aéreo, 193 missões de vigilância marítima em território nacional e internacional e 160 missões de reconhecimento e avaliação, integradas no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais.

Além destas "a Força Aérea continuou ainda a cumprir com os compromissos internacionais" com as organizações internacionais, como a NATO, ONU e União Europeia, "integrando Forças Nacionais Destacadas em missões nos diferentes teatros operacionais, como a MINUSMA (no Mali), NATO ENHANCED AIR POLICING 2021 (na Lituânia) e FRONTEX (em Málaga), conclui a mesma nota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+