Tempo
|
A+ / A-

"Medidas anunciadas pelo Governo são adequadas ao momento presente", diz especialista

21 dez, 2021 - 19:45 • João Malheiro

Miguel Prudêncio pensa que é bom sinal que haja uma estabilização de novos casos nas faixas etárias com uma maior taxa de vacinação da dose de reforço, como indicou o primeiro-ministro, em conferência de imprensa, esta terça-feira.

A+ / A-

Veja também:


O imunologista Miguel Prudêncio, do Instituto de Medicina Molecular, considera que as medidas anunciadas esta terça-feira, pelo Governo, para combater a pandemia da Covid-19, "são adequadas ao momento presente".

"As medidas são de cautela e de prudência. Julgo que foram introduzidas algumas restrições que fazem sentido", diz, à Renascença.

O especialista aponta que as novas regras fazem sentido, num momento "em que ainda existem dúvidas importantes sobre a variante Ómicron".

"Embora saibamos que a dose de reforço da vacina aumenta a proteção, não sabemos o grau de proteção. Existem incógnitas que justificam, plenamente, a tomada de medidas", refere.

Miguel Prudêncio pensa que é bom sinal que haja uma estabilização de novos casos nas faixas etárias com uma maior taxa de vacinação da dose de reforço, como indicou o primeiro-ministro, em conferência de imprensa, esta terça-feira.

"Esta dose de reforço robustece a nossa imunidade e aumenta a proteção contra a infeção provocada pela variante. É importante que Portugal tenha dado a dose de reforço às pessoas mais idosas e depois ir decrescendo", considera.

O imunologista espera, ainda, que toda a população receba a dose de reforço contra a Covid-19.

O Governo vai reavaliar medidas para combater a Covid-19 a 5 de janeiro.

Miguel Prudêncio julga que uma reavaliação nessa data "faz sentido", mas pede uma monitorização mais apertada à Covid-19.

"Neste momento, é importante acompanhar a situação pandémica dia após dia", defende.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+