Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Filipe Froes

Cinco medidas essenciais que devemos otimizar antes de avançarmos para mais restrições

21 dez, 2021 - 12:42 • Anabela Góis , Sofia Freitas Moreira

Numa altura em que o Natal se aproxima e com o agravamento do quadro da pandemia, saiba o que deve fazer para se proteger a si e aos outros. O conselheiro da DGS e pneumologista Filipe Froes aponta cinco medidas para travar os contágios que devemos reforçar, antes de novas medidas serem implementadas.

A+ / A-

Veja também:


Em dia de conselho de ministros extraordinário, antecipado para esta terça-feira, o pneumologista e conselheiro da DGS, Filipe Froes, defende que, antes de avançarmos com medidas mais restritivas, devemos otimizar todas as medidas que já estão previstas e planeadas.

Em declarações à Renascença, o especialista diz que, neste momento, o país encontra-se numa situação de vantagem em relação ao ano passado, porque “já sabemos tudo o que é preciso fazer”.

O pneumologista aponta cinco medidas essenciais, já conhecidas dos portugueses, que devem ser otimizadas.

A primeira medida diz respeito à aceleração da vacinação dos mais vulneráveis.

Segundo Froes, Portugal tem cerca de 15% da população com mais de 65 anos que ainda não recebeu a dose de reforço da vacina contra a Covid-19. “São 300 mil pessoas mais vulneráveis que deveriam ter a prenda de Natal que mais precisam, que é a vacina de reforço. Isto deveria ser uma prioridade e um desígnio que deveremos cumprir com a maior brevidade”.

Outra medida a reforçar é a utilização da máscara universal. “Sabemos que a vacina funciona e é a solução, mas precisamos de tempo para implementar a solução e a máscara dá-nos esse tempo. Recomendo a utilização de máscara em ambientes públicos abertos e fechados”, defende o especialista.

O conselheiro da DGS argumenta ainda que deve ser sempre mantida a distância de um metro e meio, de forma a evitar ajuntamentos, e deve ainda manter-se o espaço o mais arejado possível. “Tudo onde não seja possível manter a distância de segurança deve ser revisto e analisado de acordo com a situação epidemiológica local”, explica.

A testagem também é essencial, de acordo com o especialista. “É preciso fazer testes de preferência o mais próximo possível do evento. 24 horas no máximo”.

Por fim, a última medida essencial que deve ser mantida e reforçada é a monitorização constante da atividade pandémica. “Não podemos ter mais atrasos na identificação de casos e cadeias de transmissão. Atrasos na monitorização condicionam decisões e prejudicam a implementação das medidas adequadas”, finaliza.

A Covid-19 provocou mais de 5,35 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    21 dez, 2021 Palmela 15:12
    Mais uma vez prenderam os velhos nos lares no natal! Nao e o certeficado nem vacina que esta em causa" e o isolamento dos velhos a chegada!

Destaques V+