Tempo
|
A+ / A-

Primeiro “coração artificial” implantado no Centro Hospitalar de Coimbra

20 dez, 2021 - 18:39 • Lusa

Esta é uma nova opção terapêutica para doentes com insuficiência cardíaca terminal e não candidatos a transplantação.

A+ / A-

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) implantou o seu primeiro “coração artificial”. Chama-se ‘HeartMate’ e é uma nova opção para doentes em insuficiência cardíaca terminal.

A cirurgia, num homem de 69 anos, decorreu no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), no Serviço de Cirurgia Cardiotorácica e Transplantação de Órgãos Torácicos (CCTOT).

Esta nova opção terapêutica destina-se a doentes com insuficiência cardíaca terminal e não candidatos a transplantação cardíaca.

“Existem outros dispositivos de assistência cardíaca, mas o ‘HeartMate’, sendo portátil e intracorpóreo, permite ao doente ter uma capacidade funcional e autonomia próximo do normal”, afirma, citado numa nota de imprensa, o diretor do serviço de CCTOT, David Prieto.

“Este dispositivo aspira o sangue do ventrículo esquerdo e injeta-o diretamente na aorta ascendente, o doente apenas tem de recarregar e substituir as baterias que mantêm esta “bomba a funcionar””, explica.

A intervenção foi liderada pelo diretor do serviço, David Prieto, em colaboração com Gonçalo Coutinho e Carlos Branco, com o apoio de uma equipa de médicos do Hospital Universitário de Bellvitge, de Barcelona (Espanha).

O CHUC destaca ainda o trabalho desenvolvido com a Unidade de tratamento de insuficiência Cardíaca Avançada (UTICA), do Serviço de Cardiologia do CHUC, liderado pelas médicas Fátima Franco e Susana Costa.

Apesar de o Serviço de CCTOT ser aquele que tem o maior número de transplantes cardíacos em Portugal, nem sempre a “implantação de um coração de um dador é a melhor solução para esta doença tão complexa e debilitante”, sublinha.

O diretor do serviço de CCTOT, David Prieto, adianta ainda que no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra “são realizados, por ano, cerca de 20 transplantes cardíacos e, enquanto alguns doentes aguardam por um coração compatível, outros poderão agora receber um “coração artificial” e beneficiar desta nova opção terapêutica”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+