Tempo
|
A+ / A-

Alguns tradutores esperam há 15 anos que tribunais lhes paguem serviços

17 dez, 2021 - 11:23 • João Cunha

Associação de Profissionais de Tradução e de Interpretação afirma que o cumprimento de prazos com as autoridades sul-africanas, para traduzir peças processuais relativas à extradição de Joao Rendeiro, podem estar em causa pela forma como o processo de seleção de tradutores está a ser feito.

A+ / A-

A maioria dos tradutores certificados recusa trabalhar para o setor da justiça porque paga mal e o que quer. "A pouca-vergonha é essa", diz a presidente da Associação de Profissionais de Tradução e de Interpretação.

"É o preço que ao contrário de qualquer relação comercial normal, aqui é o cliente - o estado - que diz ao tradutor que paga X e que o tradutor tem de fazer o trabalho no prazo Y", diz Paula Pinto Ribeiro à Renascença.

Outro problema, assegura, é que o pagamento é feito quando os tribunais querem. "Até já temos uma colega, que está reformada, que tem faturas de 2006 por receber", sublinha.

Devido a isso, muitos tradutores optam por não fazer traduções de processos judiciais.

Em 2018, e depois da União Europeia ter recomendado que os países membros criassem uma bolsa de tradutores-intérpretes com formação jurídica, a Associação chegou a reunir com o Ministério da Justiça, que equacionou possibilidade de criar um curso de certificação de tradutores-intérpretes. Mas essa possibilidade não passou disso mesmo.

Se fosse uma realidade, essa bolsa impedia, por exemplo, que empresas de tradução estejam nesta altura à procura de tradutores para traduzir peças processuais de julgamentos portugueses. O problema, diz a presidente da Associação de Profissionais de Tradução e de Interpretação, é que "estão a tentar recrutar os tradutores errados".

"Ainda ontem tivemos colegas que são tradutoras médicas a receber e-mails a perguntar se estavam disponíveis para traduzir peças processuais de direito". Por isso, Paula Pinto Ribeiro não hesita em referir que "a confusão é tal, e o processo está a ser gerido de uma forma, que nada garante que a pessoa que vai aceitar o trabalho e que diz que pode traduzir não sei quantas páginas seja realmente uma tradutora ou tradutor jurídico com capacidade de o fazer".

Por isso, Paula Pinto Ribeiro admite que o cumprimento de prazos com as autoridades sul-africanas pode estar em causa. Não só, mas também "pela forma como o processo de seleção de tradutores poderá estar a ser feito".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+