Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Caso BPP

Audição de Rendeiro adiada novamente

14 dez, 2021 - 07:32 • Filipe d'Avillez Filipa Ribeiro

Advogada June Marks disse à Renascença que a audição deve acontecer esta tarde ou só mesmo na quarta.

A+ / A-

A audição de João Rendeiro, que estava marcada para esta terça-feira de manhã, voltou a ser adiada.

Segundo a advogada June Marks, que representa o ex-banqueiro na África do Sul, Rendeiro pode só ser ouvido esta tarde ou mesmo na quarta-feira.

“Não estará presente no tribunal esta manhã, a questão foi adiada. Houve desenvolvimentos e estamos a lidar com eles”, disse à Renascença.

Mais novidades só esta tarde ou na quarta-feira, diz June Marks, que quando falou com a Renascença ainda não tinha estado com o seu constituinte. "A sessão desta manhã foi adiada, poderemos ser ouvidos esta tarde. Mas nem sabemos se seremos ouvidos hoje, não sabemos se o nosso pedido será atendido hoje, poderá ser só amanhã. Ainda não falei com ele hoje, estou à espera de falar com ele agora."

Rendeiro foi apresentado em tribunal na manhã de segunda-feira, cumprindo assim a lei, que obriga a uma audição nas 48 horas seguintes à detenção. Contudo, toda a parte processual foi adiada, pelo que a própria detenção do ex-banqueiro não foi avaliada pelo juiz, que também não teve oportunidade de se pronunciar sobre o pedido de libertação sob fiança que a defesa disse que ia fazer, nem sobre a prisão preventiva pedida pelo Ministério Público.

Só depois de todos estes trâmites é que poderá ser avaliado um pedido de extradição feito por Portugal e o processo pode durar várias semanas.

Contudo, caso o ex-banqueiro venha para Portugal, é para entrar diretamente na cadeia, porque já se tornou definitiva uma das três penas de prisão a que foi condenado. Neste caso, uma pena de cinco anos e oito meses por crimes de falsidade informática e falsificação de documentos, relacionados com adulteração da contabilidade do BPP em mais de 30 milhões de euros e ocultação ao Banco de Portugal.

Há depois outras duas condenações a que já foi sujeito, uma de três anos e seis meses de prisão por crimes de burla qualificada e outra de 10 anos por fraude fiscal, abuso de confiança e branqueamento de capitais, mas estes dois últimos processos ainda estão em recurso.

O ex-presidente do extinto Banco Privado Português foi condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do banco, tendo o tribunal dado como provado que João Rendeiro retirou do banco 13,61 milhões de euros.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+