Tempo
|
A+ / A-

Santa Maria. Chefes da urgência cirúrgica voltam a demitir-se

02 dez, 2021 - 11:31 • Lusa

Decisão foi tomada durante a manhã, após uma reunião com todos os clínicos da especialidade. Sindicato Independente dos Médicos fala em falta de respeito e apela ao Ministério da Saúde que resolva a situação.

A+ / A-

Os chefes de equipa de urgência cirúrgica do Hospital Santa Maria reapresentaram o pedido de demissão dois dias depois de o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte ter anunciado que tinham chegado a acordo, avançou o Sindicato Independente dos Médicos nesta quinta-feira.

“O Conselho de Administração, durante o dia de ontem [quarta-feira], voltou atrás perante todos os compromissos que tinham assumido com os chefes de equipa demissionários e neste momento esses colegas reapresentaram os seus pedidos de demissão”, disse à agência Lusa o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

Jorge Roque da Cunha acrescentou que não foi cumprida a questão dos novos circuitos, do reforço das equipas e “o respeito pelos tempos de descanso e de trabalho máximo por semana”.

O SIM e o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZL) alertaram ainda que o banco de urgência cirúrgica no Hospital de Santa Maria não estava a funcionar nesta quinta-feira de manhã.

“Até às 10h00 de hoje não havia ninguém para fazer urgência porque as escalas de urgência não foram criadas e as exigências dos médicos do serviço de Cirurgia não foram cumpridas”, adiantou à Lusa o presidente do SMZL, João Proença.

Já no domingo “não havia ninguém destinado para fazer banco de urgência de cirurgia e hoje também não há”, afirmou o dirigente sindical, lembrando que os médicos tinha dado um prazo para “a resolução total dos problemas”, nomeadamente “a modificação dos protocolos e a constituição das equipas de urgência”.

“Os chefes de equipa ficaram à espera de que isto fosse resolvido e, portanto, como não foi, a situação não está resolvida”, vincou João Proença.

500 horas extraordinárias correspondem a mais cerca de 60 dias de trabalho

Jorge Roque da Cunha afirma que “o Sindicato Independente dos Médicos lamenta profundamente mais esta atitude de falta de respeito perante os médicos e lamenta igualmente a incapacidade em cumprir acordos”.

“E lamenta que essa atitude que põe em causa a assistência aos lisboetas na área da cirurgia, que irá perturbar o funcionamento do Serviço de Urgências de Santa Maria, se mantenha impune e com o total silêncio do Ministério da Saúde”, sustenta.

O dirigente sindical afirma que “a resiliência destes profissionais” está expressa “nas centenas de horas que este ano já efetuaram”, recordando que quando um médico faz 500 horas extraordinárias está a trabalhar mais cerca de 60 dias, já que o horário de trabalho são oito horas.

O SIM apela ainda ao Ministério da Saúde que resolva o problema.

Um mês de demissões e negociações

Tudo começou em 10 de novembro, quando os 10 médicos chefes da Urgência de cirurgia deram um prazo (até dia 22) para serem encontradas soluções para os problemas existentes, nomeadamente a situação da escala de serviços, que consideravam “não exequível”.

Nessa altura, os clínicos pediram também uma reunião urgente com o diretor clínico do hospital, que se mostrou disponível para aceitar as exigências.

Findo o prazo, e depois de reuniões sem os resultados esperados, os médicos concretizaram a ameaça e apresentaram a demissão em bloco.

Segundo estes médicos, as condições de trabalho na urgência cirúrgica “têm-se agravado nos últimos anos” e piorado nos tempos mais recentes.

Na terça-feira, dia 30 de novembro, o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) anunciou ter chegado a acordo com os especialistas, afirmando que a “grande maioria” das questões relacionadas com organização e distribuição de serviço estavam solucionadas.

Os chefes de equipa de urgência, os assistentes hospitalares e internos da formação específica da especialidade de Cirurgia Geral do Departamento de Cirurgia do CHULN tinham alertado na terça-feira que, em dezembro, a prestação de cuidados de saúde nas urgências poderia estar em causa por falta de médicos.

Numa nota de esclarecimento divulgada no mesmo dia, os cirurgiões esclarecerem as suas posições das últimas semanas, como a indisponibilidade para a realização de horas extraordinárias, demissão dos cargos de chefia de equipas de urgência, e invocação de exclusão de responsabilidade disciplinar face “ao funcionamento anómalo do Serviço de Urgência Central”.

Os especialistas afirmam que “a degradação das condições de trabalho” neste serviço, “o número excessivo de horas extraordinárias, equipas subdimensionadas para o trabalho prestado” e a realização de trabalho fora do âmbito da sua especialidade “compromete uma adequada e segura prestação de cuidados de saúde aos doentes na urgência”.

Compromete também “a atividade assistencial não urgente e a formação contínua dos médicos do Departamento de Cirurgia”, sustentam.



[Notícia atualizada às 12h35]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+