Tempo
|
A+ / A-

RCA. Governo propõe prolongar mandato do general português ao serviço da ONU

26 nov, 2021 - 04:46 • Lusa

A proposta prevê a prorrogação do mandato até 29 de abril do próximo ano.

A+ / A-

O Governo vai propor ao Presidente da República a prorrogação da nomeação do major-general Paulo Maia Pereira para o cargo de segundo comandante da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA).

A proposta foi aprovada em Conselho de Ministros e prevê a prorrogação do mandato até 29 de abril do próximo ano.

"Foi aprovada a proposta, a apresentar a Sua Excelência o Presidente da República, de prorrogação da nomeação do Major-general Paulo Emanuel Maia Pereira para o cargo de Deputy Force Commander da United Nations Multidimensional Integrated Stabilization Mission in the Central African Republic (MINUSCA) até 29 de abril de 2022", lê-se, no comunicado do Conselho de Ministros.

Maia Pereira, do Exército português, foi nomeado pela primeira vez para o cargo em janeiro do ano passado e tomou posse em fevereiro. Ao longo da sua carreira, o major-general desempenhou funções como chefe da Divisão de Planeamento Estratégico Militar (DIPLAEM) do Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), e no Quartel-General do Comando Supremo das Forças Aliadas na Europa.

Portugal tem atualmente na MINUSCA 191 militares e 45 meios. A missão da ONU na RCA visa apoiar a comunidade internacional na reforma do setor de segurança do Estado, contribuindo para a segurança e estabilização do país, o apoio na resolução da crise humanitária e ao processo de transição, através do desarmamento, desmobilização e reintegração dos diferentes grupos armados.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, após o derrube do então Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas na anti-Balaka.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+