Tempo
|
A+ / A-

Seixal. Bispo evangélico constituído suspeito de auxílio à imigração ilegal

25 nov, 2021 - 09:56 • Lusa

Com a ajuda da sua companheira, o arguido de 66 anos trouxe para Portugal, desde 2018, dezenas de alegados ministros do culto.

A+ / A-

Um bispo de uma Igreja Evangélica no Seixal, distrito de Setúbal, foi constituído arguido por suspeita da prática reiterada de crimes de auxílio à imigração ilegal, na sequência de uma investigação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Agentes levaram a cabo sete mandados de busca em domicílio e outras instalações e dois mandados de busca em viaturas, no âmbito de uma investigação, sob coordenação do DIAP do Seixal, associada à atividade de uma igreja evangélica radicada neste concelho da Margem Sul.

O bispo, de 66 anos, foi constituído arguido por suspeita da prática reiterada de crimes de auxílio à imigração ilegal.

Com a ajuda da sua companheira, o bispo trouxe para Portugal, desde 2018, dezenas de alegados ministros do culto, beneficiando das facilidades legais para esse efeito.

Já em território nacional, os alegados ministros da igreja obtiveram, com a sua ajuda e a troco de elevadas quantias monetárias, a regularização junto do SEF e passaram a dedicar-se a outras atividades que nada têm a ver com a vida evangélica.

Além de cobrar pelos processos de legalização, o arguido instalou os cidadãos estrangeiros em supostas bases missionárias da igreja e com inadequadas condições de habitabilidade, a troco de cerca de 300 euros mensais por quarto.

Na operação, adianta do SEF, foi ainda apreendida documentação, telemóveis e dinheiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+