Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Lacerda Sales quer abordagem internacional coordenada para a saúde

25 nov, 2021 - 14:49 • Lusa

No Fórum Europeu para a Redução de Riscos de Catástrofes, que decorre em Matosinhos, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, elogiou a cooperação das entidades portuguesas no combate à pandemia.

A+ / A-

António Lacerda Sales defendeu esta quinta-feira a necessidade de um “enquadramento legal mais robusto e abrangente” para uma “abordagem coordenada” a nível internacional da saúde.

O secretário de Estado falava num painel sobre “covid-19 e riscos sistémicos”, no âmbito do Fórum Europeu para a Redução de Riscos de Catástrofes, que decorre até amanhã, em Matosinhos.

Lacerda Sales defende a necessidade de um “enquadramento legal mais robusto e abrangente, no qual a União Europeia se pudesse preparar e ter uma abordagem mais coordenada na saúde”.

Na sua intervenção, o secretário de Estado lembrou que a “saúde humana, a saúde animal e o ambiente estão intimamente ligados”, considerando que, “nesta área, ainda há muito a melhorar”, defendendo uma resposta adequada passa pelo “aperfeiçoamento da coordenação transdisciplinar”.

“Em Portugal, esta foi uma dar grandes lições que tirámos da pandemia, a inexcedível colaboração entre diferentes autores – autoridades locais, Proteção Civil, autoridades de saúde e forças de segurança”, afirmou.

Combate às alterações climáticas e governança

No fórum participa também a diretora regional da Organização Mundial da Saúde na Europa, para quem “a covid-19 cobre os atributos de riscos sistémicos”,

Para Dori Nitzan, a pandemia “implica interdependência de setores”, tem um “desenvolvimento não-linear” que implica “usar o conhecimento científico em constante evolução” e demonstrou a “capacidade de resiliência e as vulnerabilidades de cada sociedade”.

Já o diretor do Departamento de Água e Clima dos Países Baixos, Philip Ward, admitiu que “nunca tinha pensado em questões de saúde como ligadas aos riscos naturais até à pandemia de covid-19”, alertando para a necessidade de “olhar para isto como uma questão sistémica”.

Presente no evento, o diretor do Programa Ambiental das Nações, Bruno Pozzi, recordou que, no que diz respeito ao ambiente, “diz-se que há várias crises e que todas estão ligadas – todas são causadas por um padrão de consumo e de produção insustentável”. O especialista lembrou também que “há centenas de potenciais ‘covids’ na natureza” e, “se se continuar esta relação com a natureza, vai haver mais pandemias”.

Para mitigar o problema, “é preciso tomar medidas a todos os níveis de governança, depressa e com compromisso”, num caminho para a descarbonização.

“A recuperação da pandemia é a melhor oportunidade para mobilizar a economia para atuar sobre as alterações climáticas. recuperar da pandemia, mas atacar as alterações climáticas, construindo melhor e investindo em formas mais verdes de produzir e consumir”, defendeu Pozzi.

O fórum europeu conta com a participação do Comité das Regiões. A sua representante Joke Schauvliege, advogou, esta quinta-feira, a necessidade de “melhor preparação a todos os níveis de governança”, mencionando a importância da legislação comunitária e de uma maior cooperação entre as autoridades locais na resposta a riscos.

De Israel, o professor Salman Zarca, ‘Czar da covid-19’ nesse país, referiu que esta “é uma questão global e ninguém pode ganhar as suas próprias batalhas, é preciso partilhar e trabalhar em conjunto para sair desta pandemia”.

“A pandemia revelou múltiplas vulnerabilidades no sistema global e a perceção de um risco sistémico é muito importante para minimizar os riscos das próximas vagas, mas também de outras pandemias e riscos globais”, sublinhou, salientando que em Israel, “a principal arma foram as vacinas”.

O Fórum Europeu para Redução de Riscos de Catástrofes junta representantes de mais de 50 países. A edição deste ano é organizada pelo Governo português e pelo Gabinete das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Catástrofes, em parceria com a Comissão Europeia e com o Conselho da Europa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+