Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

DGS anuncia dose de reforço para todos os que receberam vacina da Janssen

18 nov, 2021 - 18:16 • Raul Santos , Filipe d'Avillez Lusa

Estudos comprovam que a vacina da Janssen, que era de toma única, perde a imunidade mais depressa. As pessoas abrangidas por esta medida levarão um reforço com vacina mRNA.

A+ / A-

Veja também:


A Direção-Geral de Saúde anunciou esta quinta-feira uma série de alterações na metodologia da vacinação da Covid-19.

Uma das alterações é o facto de as pessoas vacinadas com a vacina da Janssen, de toma única, irem receber um reforço.

De acordo com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, o reforço será feito a todos os que receberam a Janssen, com mais de 18 anos, cumprindo um intervalo de 90 dias após a toma da primeira dose. A segunda administração será de uma vacina do tipo mRNA.

Para os restantes, maiores de 65 anos que estão a atualmente elegíveis para o reforço vacinal, o intervalo entre a toma da segunda e a terceira dose vai ser encurtado para entre 150 a 180 dias, ou seja cinco a seis meses. Atualmente, o período para administrar o reforço vacinal era a partir dos seis meses.

As novidades foram apresentadas esta quinta-feira à tarde, em conferência de imprensa, por Graça Freitas, e entram em vigor com a publicação da norma, ainda esta quinta-feira. A diretora-geral da Saúde insiste que a vacinação é o único caminho disponível até ao momento para combater a pandemia e diz que o facto de ser necessário um reforço não deve levar as pessoas a desconfiar da eficácia das vacinas.

"Olhemos para os países que não fizeram vacinação. Os países que não se vacinaram, ou vacinaram pouco, têm taxas de mortalidade incomparavelmente superiores às de Portugal. Se Portugal tem estes números é porque a população está vacinada. Mas as pessoas devem fazer o reforço, para manterem a proteção."

"Mantenham a confiança nas vacinas. Sempre dissemos que não sabíamos quanto tempo durava a imunidade. Há vacinas que levamos só uma vez, há vacinas que precisam de reforços na infância e outras que precisam de reforços durante a vida. As vacinas do tétano e da difteria, por exemplo, são excelentes vacinas, mas precisam de reforços", explica Graça Freitas.

"As pessoas têm de manter a confiança na vacinação e ela é necessária neste momento", diz a diretora-geral, referindo-se à chegada do inverno e do tempo mais frio.

A DGS explica ainda que a vacinação vai ter lugar sete dias por semana e que embora muitas pessoas estejam abrangidas pelo regime de casa aberta a recomendação é de que tentem autoagendar, para evitar a formação de filas nos centros de vacinação. Quem quer, e pode, aproveitar a casa aberta deve primeiro tentar verificar online se o respetivo centro de vacinação está aberto e se tem muito tempo de espera ou não.

Por fim, Graça Freitas explicou que estão neste momento a ser feitos estudos para averiguar a eficácia de cada vacina por marca e que essa informação será divulgada pela DGS logo que possível.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+