Tempo
|
A+ / A-

Sindicato dos Médicos alerta para falta de investimento na Medicina Legal

13 nov, 2021 - 19:08 • Lusa

Já em fevereiro de 2020, o SIM tinha protestado junto do Ministério da Justiça contra o não reconhecimento da carreira dos médicos legistas e a supressão de recursos humanos no Instituto de Medicina Legal, através da contratação externa.

A+ / A-

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alertou este sábado para a falta de investimento no pessoal médico do Instituto Nacional de Medicina Legal, acusando o Governo de optar pela contratação de tarefeiros, muitos sem especialidade.

Numa carta dirigida aos ministros da Justiça e das Finanças, o SIM começa por lembrar que "mais de dez vezes" apelou para que estes "cumpram as obrigações como governantes em democracia".

Sobre o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), o SIM refere que "o Ministério da Justiça autorizou a abertura de concurso para admissão dos quatro novos especialistas de Medicina Legal em 2020".

"Mais de um ano depois, o Ministério das Finanças continua a não autorizar a sua contratação. Nenhum dos ministérios autorizou a abertura de concurso para admissão dos cinco novos especialistas de 2021. Nenhum dos ministérios autorizou a progressão na carreira dos assistentes graduados que há anos têm condições para progredir (foi aberto, pela primeira vez em anos, concurso para progressão de assistentes, em número desconhecido)", acusa o sindicato.

E lamenta que, "ao mesmo tempo, o INMLCF contratou em 2021 mais 170 prestadores de serviços, muitos sem especialidade de Medicina Legal, com desperdício de dinheiro público, para realizar o trabalho que seria de outro modo cumprido por médicos assistentes do mapa".

"Com um a seis médicos especialistas a graduar por ano até 2025, sem celeridade na contratação e sem progressão na carreira, nunca se estancará a sangria de médicos nem se porá cobro à repetida contratação externa e ao esbanjamento do erário", alerta o SIM.

Já em fevereiro de 2020, o SIM tinha protestado junto do Ministério da Justiça contra o não reconhecimento da carreira dos médicos legistas e a supressão de recursos humanos no Instituto de Medicina Legal, através da contratação externa.

Em carta dirigida à ministra da Justiça, Francisca van Dunem, o SIM "protesta e denuncia a contratação de prestadores externos, ao invés da consolidação dos recursos humanos" no INMLCF.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+