Tempo
|
A+ / A-

​Militares alegadamente envolvidos em tráfico de diamantes. Denúncia foi feita há quase dois anos

08 nov, 2021 - 12:32 • Cristina Nascimento

Estado-Maior-General das Forças Armadas garante que, após a denúncia, reforçou o controlo da chegada de militares e respetivas cargas. Polícia Judiciária confirma 10 detenções.

A+ / A-

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) revela que a primeira denúncia sobre um “eventual envolvimento de militares portugueses no tráfico de diamantes” foi feita em 2019.

A queixa foi reportada ao Comandante da 6ª Força Nacional Destacada (FND), na Républica Centro Africana, lê-se no comunicado enviado pelo EMGFA.

A nota refere que o comandante reportou a queixa de imediato ao EMGFA que depois denunciou à Polícia Judiciária Militar (PJM) para investigação. Por sua vez, a “PJM fez a respetiva denúncia ao Ministério Público que nomeou como entidade responsável pela investigação a Polícia Judiciária”.

O comunicado explica que “o que está em causa de momento é a possibilidade de alguns militares […] terem sido utilizados como correios no tráfego de diamantes, ouro e estupefacientes” e que esses produtos chegaram a território nacional “alegadamente transportados nas aeronaves” militares.

O EMGFA sublinha ainda que, feita a denúncia, foram reforçados “os procedimentos de controlo e verificação à chegada” dos militares e respetivas cargas.

A nota conclui afirmado que, quando forem esclarecidas as responsabilidades, “as Forças Armadas tomarão as devidas medidas, sendo absolutamente intransigentes com desvios aos valores e ética militar” e repudiam “totalmente estes comportamentos contrários aos valores da Instituição Militar”.

10 detidos, confirma PJ

Já a Polícia Judiciária confirma a execução de 100 mandados de busca e 10 detenções no âmbito da Operação Miríade. Num comunicado enviado às redações, a PJ adiantou que "as investigações prosseguem", tendo contado com "a participação de cerca de 320 inspetores e peritos". Das 100 buscas, 95 foram domiciliárias e cinco não domiciliárias.

A ação das autoridades desenvolveu-se nas regiões de Lisboa, Funchal, Bragança, Porto de Mós, Entroncamento, Setúbal, Beja e Faro.

A notícia foi avançada pela TVI que aludia a buscas no Regimento de Comandos, em Sintra, e em cerca de uma centena de outros locais, incluindo Lisboa, Porto, Bragança e Vila Real. .

Em causa estão suspeitas de tráfico de diamantes, ouro e droga em missões militares na República Centro-Africana, num esquema criminoso que, segundo a TVI, já dura há vários anos.

Também de acordo com a estação de Queluz, os comandos aproveitariam as vantagens da não fiscalização a aviões militares no regresso das missões e seguia-se depois um elaborado esquema de ocultação destes proveitos ilícitos - branqueamento de capitais -, com recurso a testas de ferro na abertura de contas bancárias, e à aquisição por exemplo de bitcoins.

[notícia atualizada às 13h48]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+