Tempo
|
A+ / A-

Respostas Sociais à Pandemia

São Salvador de Grijó, a paróquia que abriu um lar em plena pandemia

28 out, 2021 - 13:59 • Cristina Nascimento , André Peralta (sonorização)

No Centro Social da Paróquia de São Salvador de Grijó a Covid-19 veio mudar a forma como apoiam idosos, crianças, familias e pessoas carenciadas, mas a pandemia também trouxe mais união e sintonia, diz o pároco António Coelho.

A+ / A-

Não era o que tinham imaginado, mas foi assim que a pandemia ditou. Ao fim de quase 40 anos de recolha de donativos, em plena pandemia, com máscaras e regras apertadas, a Paróquia de São Salvador de Grijó conseguiu abrir as portas do lar de idosos com que sonhavam.

“Havia um desejo muito grande de iniciar o lar, porque as pessoas durante muitas décadas as pessoas esperaram e desejaram isto e nós tínhamos de cumprir a nossa missão”, explica o pároco António Coelho, quando questionam sobre se pensaram adiar a abertura do lar onde agora moram 31 pessoas.

“O lar para nós foi muito importante. Nós tínhamos pessoas em Bragança, no Caramulo, no Algarve, pessoas que eram daqui e já alguns puderam regressar e foram admitidos aqui no nosso lar. Isso foi uma grande conquista, foi extraordinário”, explica com visível orgulho.

No entanto, o lar de idosos está longe de ser a única resposta que o Centro Social desta paróquia tem em marcha.

O Centro Social tem, por exemplo, centro de dia para 29 idosos. Foram todos para casa e juntaram-se aos outros 40 a quem já davam apoio domiciliário.

António Coelho explica que “a contratação de recursos humanos é o mais complicado”. A exigência física e emocional é elevada e a tabela salarial das IPSS 's é pouco motivadora”, argumenta.

O Centro Social também faz parte do programa municipal “Gaia Aprende Mais” que dá apoio a mais de 400 crianças nas horas antes e depois das aulas. Também neste caso, quando os alunos recolheram a casa, houve que arranjar forma de continuar a acompanhá-los.

“Foi desenhado um Gaia Aprende Mais Digital onde proporcionávamos estudo acompanhado e atividades através dos meios digitais, nomeadamente as videochamadas”, explica.

No plano de apoio às famílias, o Centro Social ajuda pessoas carenciadas e famílias em risco, um trabalho que ficou mais difícil de fazer, dado que “foram suspensos os atendimentos presenciais e as visitas domiciliárias”. António Coelho diz que tal situação “tornou muito difícil o acompanhamento às famílias, deixando muitas preocupações relativamente às famílias com crianças e com jovens em risco ou idosos em situação de isolamento social”.

Neste rol de respostas sociais, o Padre António Coelho conta que ainda foram desafiados para prestar mais apoio a pessoas carenciadas, tendo mais que duplicado o número de pessoas a quem distribuem alimentos.

Tantas respostas e tantas valências obriga a grande organização e a pandemia, vistas bem as coisas, até ajudou a ajustar modos de trabalho.

“Isto ajudou a criar maior interação e maior colaboração. É de facto muito importante em qualquer instituição esta sintonia, mais preocupados, mais sintonizados. É uma lição com a qual ficamos e que é importante para o futuro”, remata.

Respostas Sociais à Pandemia é uma rubrica da Renascença com apoio da Câmara Municipal de Gaia que surge no seguimento da Conferência "Pandemia: Respostas à Crise" onde se debateu em maio de 2021 o papel das Instituições Sociais e do Poder Local.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+