Tempo
|
A+ / A-

Juiz Ivo Rosa fica com fase de instrução do caso BES

28 out, 2021 - 16:00 • Ricardo Vieira

Depois da Operação Marquês, Ivo Rosa vai ser o responsável pela instrução de outro megaprocesso.

A+ / A-

O juiz Ivo Rosa vai ficar encarregue da fase de instrução do caso Universo Espírito Santo, ditou o sorteio realizado esta quinta-feira à tarde.

O sorteio teve lugar no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa.

O processo Universo Espírito Santo conta com um total de 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete empresas, nacionais e estrangeiras.

Em causa nesta investigação do DCIAP "está um valor superior a 11,8 mil milhões de euros", em consequência dos crimes imputados e prejuízos causados.

O ex-banqueiro Ricardo Salgado vai responder por 65 crimes.

O Ministério Público considera que os arguidos são suspeitos de crimes como associação criminosa e por corrupção ativa e passiva no setor privado, falsificação de documentos, infidelidade, manipulação de mercado, branqueamento e burla qualificada contra direitos patrimoniais de pessoas singulares e coletivas.

Ivo Rosa foi o juiz responsável pela fase de instrução de outro megaprocesso: a Operação Marquês.

Dos 28 arguidos em fase de instrução na Operação Marquês, o juiz Ivo Rosa decidiu levar cinco a julgamento: José Sócrates, Carlos Santos Silva, Ricardo Salgado, Armando Vara e João Perna e deixou cair o crime de corrupção.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Sousa
    28 out, 2021 Rio Tinto 17:09
    Chama-se a isto "entregar o ouro a bandido". Se o juiz trabalhasse num privado já tinha sido despedido há muito tempo - as decisões dele acabam por ser revertidas, pelo que é desperdiçar tempo e dinheiro. Será que ninguém vê isso? Ou vê e dá jeito?

Destaques V+