Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Ministra admite 1.300 casos a 7 de novembro

28 out, 2021 - 14:30 • Marta Grosso com Lusa

O cenário foi avançado durante a conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros. “A situação epidemiológica na última semana conheceu um agravamento”, afirmou Marta Temido.

A+ / A-

Veja também:


A ministra da Saúde anunciou, nesta quinta-feira, que Portugal deve chegar aos 1.300 casos confirmados de Covid-19 na próxima semana.

“As estimativas e as análises de modelação epidemiológica realizadas pelo Instituto de Saúde Ricardo Jorge apontam para que possamos ter, dentro daquilo que é o horizonte para o qual já podemos ter dados, 1.300 casos positivos no dia 7 de novembro, se se mantiver a tendência”, afirmou Marta Temido.

A ministra respondia a questões dos jornalistas durante a conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros.

“A situação epidemiológica no país, ao longo da última semana, conheceu um agravamento”, que “acompanha aquilo que é a situação europeia”, acrescentou.

Segundo a ministra, na última semana, a incidência cumulativa a 14 dias situava-se nos 94 casos por 100 mil habitantes, apesar de ser “uma incidência que está abaixo daquilo que é a média hoje registada nos países da União Europeia, que é de 235 casos por 100 mil habitantes”.

Esta incidência tem vindo a aumentar “em linha com o risco de transmissão efetivo [o R], que está acima de 1 há 16 dias e se situa agora em 1,08”.

A ministra lembrou, a propósito, os patamares de risco em vigor, 120 casos por 100 mil habitantes no que toca à incidência, e valor 1 para o Rt.

Marta Temido diz que a conjuntura era a esperada “em função da transmissão da doença, embora num contexto em que uma larga maioria da população está vacinada” – neste momento, 85,9% da população portuguesa tem a vacinação completa (de duas doses) contra a Covid-19, disse ainda.

“Temos de ter presente que temos vários fatores de contexto preocupantes”, como “as temperaturas frias que se avizinham, a circulação de vírus respiratórias associados ao período de temperaturas em que vamos entrar e o facto de as pessoas se concentrarem em espaços menos arejados”, destacou também.

Apesar de um maior número de casos, existem menos doentes graves e menos mortes associadas à doença causada pelo novo coronavírus do que há alguns meses, sublinhou ainda a ministra da Saúde.

“A ocupação dos serviços de saúde permanece estável. Existe uma estabilização de utilização dos serviços de saúde ao nível da Covid e temos registado uma letalidade estável”, acrescentou.

Na sequência da atual situação epidemiológica, o Governo decidiu prolongar a situação de alerta no âmbito da pandemia até 30 de novembro.

Além disso, o Ministério da Saúde vai “libertar campanhas de informação e chamar a atenção da população para se manter segura, a si, aos seus e aos outros”, anunciou ainda a ministra, acrescentando que “eventuais adaptações destas medidas” – nomeadamente, eventuais retrocessos no desconfinamento – “far-se-ão em devido tempo”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+