Tempo
|
A+ / A-

Ministro da defesa recebido com protestos no Dia do Exército

24 out, 2021 - 12:35 • Redação

As celebrações do Dia do Exército decorrem desde dia 20 de outubro e encerram este domingo.

A+ / A-

O Ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, foi vaiado este domingo, em Aveiro, no local onde se celebra o Dia do Exército.

Várias dezenas de veteranos do ultramar, ex-comandos e ex-paraquedistas protestam por terem sido impedidos de cantar "Pátria Mãe", no desfile da cerimónia.

“O Exército, infelizmente, não respeita os paraquedistas nem as operações especiais como os fuzileiros e comandos. Os nossos cânticos e as nossas marchas hão de se manter sempre”, disse à RTP um dos ex-paraquedistas presentes na manifestação.

As celebrações do Dia do Exército decorrem desde dia 20 de outubro e encerram este domingo a missa de Ação de Graças e Sufrágio, na Sé Catedral, e uma cerimónia militar, no Cais da Fonte Nova.

Ouça o hino "Pátria Mãe".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    24 out, 2021 Coimbra 18:37
    Não se podem valer do que fizeram durante a pandemia, quando passam anos e anos a chular os portugueses. O exército é uma vergonha para Portugal, quando a pirâmide de comando é invertido. Temos mais generais que os EUA, mais oficiais superiores e sub-alternos e sargentos do que praças!!!! Ficava mais barato e eficaz apetrecharmos os bombeiros melhor ( somente os bombeiros e não os palhaços da protecção civil, que em vez de ajudarem, fazem com que o combate aos incêndios seja feita, quando já está sem controle. Não me venham falar das missões no estrangeiro, em nome da NATO o ONU, para isso eles que paguem.
  • Americo Anastacio
    24 out, 2021 Leiria 17:02
    Estão indignados por serem alegadamente proibidos de cantar um cântico em que entoam "ó Pátria minha". Estamos em DITADURA ? Até quando "aturamos" isto ?

Destaques V+