Tempo
|
A+ / A-

Reportagem

Marcelo foi recebido em festa no Bairro da Boavista e até incluiu Moedas numa "troika" virtuosa

23 out, 2021 - 22:53 • Lusa

O antigo secretário de Estado nos tempos da verdadeira "troika" já tinha considerado "uma honra" acompanhar o chefe de Estado nas visitas que este fizer na cidade de Lisboa.

A+ / A-

O Presidente da República foi hoje recebido em festa no Bairro da Boavista, nas celebrações dos 80 anos do bairro lisboeta, e até incluiu Carlos Moedas, que o acompanhou na visita de quase três horas, numa "troika virtuosa".

Questionado se prevê fazer "dupla" muitas vezes com o recém-empossado presidente da Câmara de Lisboa, eleito numa coligação encabeçada pelo PSD, Marcelo Rebelo de Sousa preferiu acrescentar um terceiro elemento à conversa: o presidente da Junta de Freguesia de Benfica, o socialista Ricardo Marques, que hoje fez de mestre de cerimónias na visita ao bairro nascido em em 1941.

"Eu estava convidado, o senhor presidente da Câmara estava convidado. Foi um encontro muito bom, juntou-se a nós o presidente da junta, ficou uma "troika" virtuosa", afirmou o chefe de Estado, provocando risos entre a comitiva.

E acrescentou: "Eles são de orientações políticas diferentes e eu estou acima dos partidos. Bem, em rigor, o presidente da câmara e da junta também estão acima dos partidos".

O antigo secretário de Estado nos tempos da verdadeira "troika" já tinha considerado "uma honra" acompanhar o chefe de Estado nas visitas que este fizer na cidade de Lisboa, em declarações aos jornalistas ainda antes da chegada do Presidente da República, destacando algumas preocupações comuns.

"Partilho com o senhor Presidente da República este desafio e este objetivo concreto de cuidar das pessoas, de estar com as pessoas", afirmou Carlos Moedas.

E pessoas não faltaram nesta deslocação presidencial, que fez lembrar os tempos pré-pandemia, em número de "selfies", cumprimentos e até numa visita a uma cozinha para o Presidente avaliar a sopa que estava a ser preparada para a festa.

Marcelo tirou a colher de pau à cozinheira, destapou tachos e até tirou a máscara para cheirar melhor.

"Esta é melhor, é mais forte", disse, preferindo a sopa da fava rica à chamada sopa do Barroso, nome pelo qual era conhecida a tradicional sopa dos pobres.

O Presidente começou a visita pela Associação Recreativa de Moradores e Amigos do Bairro da Boavista, subiu até ao mais antigo clube do bairro, o das Águias, onde partilhou um pires de tremoços e uma "mini" com alguns elementos da comunidade cigana, deixando um pedido.

"Têm de se virar para as crianças e jovens, para as novas gerações, têm de perceber o papel que podem ter no futuro, eles e elas", afirmou, destacando que a mulher tem hoje um papel "maioritário e decisivo na sociedade portuguesa e que já não volta para trás".

"As mulheres têm tantos direitos como os homens", reconheceu um dos jovens com quem conversava.

No clube, ainda forrou o estômago com uma sandes de courato e partiu para outro dos projetos do bairro, um conjunto de 50 casas que substituíram as tradicionais moradias de alvenaria e que são ecossustentáveis e planeadas para pessoas com mobilidade reduzida e evolutivas, podendo aumentar se a família crescer.

Com a arquiteta e antiga vereadora lisboeta Helena Roseta ao lado - uma das responsáveis pelo projeto -, Marcelo visitou a casa de uma das moradoras, Florinda Belchior, a quem fez questão de fotografar com a máquina "roubada" ao fotógrafo oficial da Presidência.

"Deste Bairro da Boavista saíram portugueses espalhados pelo mundo, desportistas, e foi-se renovando e vai-se renovar", sublinhou, destacando a "integração única" entre as várias comunidades e a "preocupação social antes da época" aqui vividos.

Marcelo Rebelo de Sousa prometia continuar "noite fora" na festa e nem as máscaras atrapalhavam a distribuição de beijinhos pelo bairro, sucedendo-se as visitas a clubes e associações locais, mas a visita terminou quase em jeito de concerto, com o Presidente da República e Carlos Moedas a subirem ao palco onde atuavam desde a tarde alguns artistas locais.

"É a minha primeira visita aqui enquanto presidente da Câmara, mas vão ter-me aqui muitas vezes ao vosso lado. O que mais me orgulha é o vosso orgulho neste bairro, nas vossas raízes", afirmou o autarca.

Já Marcelo Rebelo de Sousa começou por "aquecer" a plateia, lançando o desafio: "Qual é o melhor bairro de Lisboa, qual é o melhor bairro de Portugal, quero ouvir mais alto".

"São 80 anos de calor humano, de luta, de amizade, 80 anos de raízes e de viragem para o futuro, desde o tempo das casas de lusalite e em madeira, e depois avançando ponto a ponto, passo a passo", salientou, destacando a construção para breve de uma nova escola e um novo parque.

Apesar da longa visita, o chefe de Estado prometeu voltar "em breve para uma sardinhada", chamou as crianças para subirem ao palco, despedindo-se com um "ié ié ié, a Boavista é que é".

O Bairro da Boavista, localizado na freguesia de Benfica, foi construído na década de 1940, para o realojamento de famílias provenientes de habitações precárias. .

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+