Tempo
|
A+ / A-

Resposta do INEM pode ser afetada devido a greve

22 out, 2021 - 07:51 • Anabela Góis , Olímpia Mairos

Além da revisão da carreira e melhores condições de trabalho, os técnicos de emergência pré-hospitalar exigem salários dignos e abertura de concursos para fixar profissionais.

A+ / A-

Em luta por melhores condições de trabalho e a revisão da carreira, os técnicos de emergência hospitalar estão esta sexta-feira em greve, por isso, a resposta do INEM pode vir a ser afetada.

O presidente Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-hospitalar (STEPH) confirma existirem serviços mínimos, ainda assim, podem haver atrasos.

“Sendo uma greve geral afetará todos os serviços, sendo que esforçar-nos-emos para que sejam cumpridos os serviços mínimos. Mas é de esperar que haja um atraso, quer no socorro das ambulâncias, quer no próprio atendimento das chamadas nos CODU que vão estar a funcionar também com um número abaixo do normal”, diz Rui Lázaro à Renascença.

O sindicalista admite que poderá existir alguma demora no atendimento, mas realça que “uma greve tem esse efeito, para que se perceba que é fundamental para que nos deem melhores condições para salvar mais vidas, para além daquelas que estão a ser salvas, e que não se percam vidas”.

Segundo Rui Lázaro, o INEM precisa de 1.400 técnicos pré-hospitalares e tem apenas 950. Se as condições não mudarem, os concursos vão continuar sem interessados.

“Hoje mesmo recebemos denúncias de trabalhadores que estão a ser coagidos para não fazerem greve, o que é gravíssimo. Sairá a respetiva denúncia para o Ministério Público. Isto tem traduzido e aumentado a taxa de abandono que, por si só, já é elevada e, se não for feito nada urgentemente, o INEM corre o risco de deixar de conseguir prestar o serviço que cada vez está mais condicionado”, refere o dirigente sindical.

Entre as várias queixas, os trabalhadores apontam a frota envelhecida de ambulâncias, a falta de condições nos Centros de Orientação de Doentes Urgentes - CODU e a carência de fardamento e equipamento de proteção individual com qualidade.

O presidente do sindicato, Rui Lázaro, explica que os motivos são os que têm vindo a ser reivindicados pela estrutura sindical e que se mantêm sem resposta, "apesar da reunião de julho, onde foram assumidos compromissos" pela tutela.

Segundo o STEPH, o Acordo Coletivo de Carreira Especial, cujo processo negocial ficou concluído em 2018, está ainda por publicar, passados três anos.

Decretada pelo Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-hospitalar (STEPH), a greve começou às 00h00 e termina às 24h00.

Para as 11h00, está marcada uma concentração em frente às instalações do INEM, em Lisboa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+