Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ordem dos Médicos

Há especialidades em que mais de metade dos médicos trabalha no privado

13 out, 2021 - 22:26 • João Malheiro

O bastonário da Ordem dos Médicos diz que os números apresentados provam que "é mentira que haja uma falta de médicos". "Todos os portugueses podiam ter um médico de família", alega.

A+ / A-

A Ordem dos Médicos (OM) avisa que há especialidades em que mais de metade dos profissionais trabalham no privado e afirma que podiam colmatar as falhas do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Dados enviados à Renascença, esta quarta-feira, mostram que quase 60% dos radiologistas inscritos na OM estão a exercer no privado.

57% de ginecologistas, obstetras e dos dermatovenereologistas estão, igualmente, fora do SNS.

Entre os anestesistas, os pediatras e os médicos de família, a OM indica que a maioria trabalha no setor público, porém um número significativo encontra-se no privado.

Quase 38% de anestesistas e pediatras estão fora do SNS.

No caso da especialidade de Medicina Geral e Familiar, se apenas 600 dos especialistas que estão a trabalhar fora do SNS optassem amanhã por trabalhar no setor público, haveria médicos de família para mais 1.140.000 utentes, ou seja, segundo a OM " todos os portugueses teriam o seu médico de família.

Para chegar a estes dados, a OM usou todos os médicos inscritos com menos de 70 anos - partindo do princípio de que, a partir dessa idade, estão reformados - e nos números disponibilizados pela Administração Central do Sistema de Saúde.

À Renascença, o bastonário da OM diz que os números apresentados provam que "é mentira que haja uma falta de médicos".

"Nós formamos muitos mais médicos do que aquilo que necessitamos, em Portugal", considera.

Miguel Guimarães diz que o SNS não é atrativo para os médicos, porque "não lhes oferecesse condições de trabalho e de dignidade e de respeito".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    14 out, 2021 Aqui 06:02
    A culpa de haver médicos no privado é do próprio Estado por três motivos; 1- não oferece condições a quem trabalha no público 2- a ADSE é um subsistema injusto que abrange apenas uma casta de portugueses e promove a vitalidade do sector privado. 3- a anterior Lei de Bases de Saúde referia que cabia ao Estado fomentar o sector privado para o colocar em concorrência com o sector público. Esta é uma herança do governo de Cavaco Silva que deixou marcas profundas no sector da saúde.

Destaques V+