Tempo
|
A+ / A-

Estátua de D. Afonso Henriques em Guimarães sem espada após "ato de vandalismo"

11 out, 2021 - 13:16 • Lusa

A espada já fora partida em 30 de agosto de 2014 e retirada de novo em 20 de fevereiro de 2020, tendo sido restaurada antes de reaparecer na escultura, em 09 de junho de 2020.

A+ / A-
Foto: Hugo Delgado/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)
Foto: Hugo Delgado/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)

Uma das estátuas de D. Afonso Henriques em Guimarães, da autoria de Soares dos Reis, está sem espada, após ter sido "alvo de um ato de vandalismo", informou esta segunda-feira o Paço dos Duques de Bragança.

"Lamentavelmente, a escultura de D. Afonso Henriques, da autoria de Soares dos Reis, foi no passado fim de semana alvo de um ato de vandalismo. Mais uma vez, a espada foi quebrada, tendo sido encontrado o fragmento no jardim junto à estátua", lê-se no comunicado publicado na rede social Facebook.

A "parte integral da espada" foi "retirada" da escultura, tendo sido "encaminhada para restauro", lê-se ainda na nota do Paço dos Duques, tutelado pela Direção Regional de Cultura do Norte.

O Paço dos Duques de Bragança, museu que tem ainda a seu cargo a supervisão do Castelo de Guimarães e da Igreja de São Miguel, os outros dois edifícios classificados como Monumento Nacional no monte Latito, no centro histórico daquela cidade do distrito de Braga, frisou que o "primeiro rei" de Portugal está cada vez "mais vulnerável", competindo a todos a "sua proteção".

"Para que futuramente estes atos não se repitam, pedimos a colaboração a todos na salvaguarda do património. Preservemos o nosso anfitrião, que será sempre "o conquistador"", lê-se.

Criada por António Soares dos Reis, figura de "proa" das belas-artes portuguesas na segunda metade do século XIX, a escultura de D. Afonso Henriques em Guimarães foi inaugurada em 20 de outubro de 1887, encontrando-se junto ao Paço dos Duques desde 1940.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+