Tempo
|
A+ / A-

Associação Nacional de Discotecas. "Grande maioria das empresas foram apoiadas"

08 out, 2021 - 01:38 • Lusa

Presidente da AND, João Gouveia, diz que “apesar de no início ter havido um pouco de ruído, houve sempre comunicação”.

A+ / A-

O presidente da Associação Nacional de Discotecas (AND), João Gouveia, afirmou, esta quinta-feira, que a grande maioria das empresas foram apoiadas, 19 meses depois de as discotecas terem fechado devido à Covid-19.

Depois de se ter reunido no Ministério da Economia, em Lisboa, com o secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres, o presidente da AND, congratulou-se com o facto de o governante ter estado “sempre presente e preocupado” em passar aos associados toda a informação sobre os apoios e lembrou que “99% das empresas receberam ou já foram apoiadas”.

De acordo com João Gouveia, “apesar de no início ter havido um pouco de ruído”, chegando mesmo a haver uma greve de fome, “houve sempre comunicação”.

"Os apoios não foram suficientes, não chegaram a toda a gente, mas foi o possível numa linha continuamente aberta entre o ministério e as empresas”, acrescentou.

Segundo a AND, agora haverá um apoio previsto pela secretaria de Estado do Turismo no âmbito do programa Adaptar.

“Tudo o resto cessa agora o 'lay-off' e o 'APOIAR.pt'”, disse à Lusa o dirigente da Associação Nacional de Discotecas (AND).

No final do “encerramento deste capítulo”, a AND deve ter uma “palavra de gratidão”, tendo em conta a situação vivida num contexto de pandemia.

"Difícil recuperar as perdas"


Para João Gouveia, “é difícil recuperar as perdas”, sabendo que o Governo “não o poderia fazer”. Assim, afirmou que sai no final desta reunião com o “sentido de missão cumprida” para com estas empresas.

“Os apoios na conjuntura da Covid-19, cessaram, pelo que haverá agora uma vertente em termos de apoio ao Turismo, que englobará as discotecas, sendo que estas empresas terão uma majoração (que não está ainda calculada)”, disse o dirigente da AND.

O presidente da AND disse ainda que ficou de passar ao secretário de Estado da Defesa do Consumidor “todas as indicações de empresas que, por esta ou por aquela razão, não receberem todos os seus apoios” e em que este possa, no âmbito da sua influência”, vir a ajudar para que as situações sejam resolvidas.

As discotecas optaram por encerrar a 8 de março do ano passado, antes de ter sido decretado pelo Governo o confinamento a 13 de março de 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+