Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

João Rendeiro diz-se “injustiçado” e confirma: "Não tenciono regressar" a Portugal

29 set, 2021 - 07:24 • Redação

O ex-banqueiro, condenado a penas de três, cinco e dez anos no âmbito do caso BPP, diz ter sido "humilhado por uma campanha populista de intoxicação da opinião pública" e defende que "a minha ausência é ato de legítima defesa".

A+ / A-

João Rendeiro não vai voltar a Portugal para cumprir as penas de prisão a que foi condenado em três processos, relacionados com o caso BPP. A confirmação foi dada pelo próprio, numa publicação no seu blogue pessoal.

“No decurso dos processos em que fui acusado efetuei várias deslocações ao estrangeiro, tendo comunicado sempre o facto aos processos respetivos. De todas as vezes regressei a Portugal. Desta feita não tenciono regressar”, escreveu o antigo presidente do Banco Privado Português (BPP).

Rendeiro diz, ainda, sentir-se “injustiçado pela justiça do meu país”. “Tentarei que as instâncias internacionais avaliem o modo como tudo se passou em Portugal”, lê-se no mesmo comunicado.

“Vi-me humilhado por uma campanha populista de intoxicação da opinião pública e de pressão sobre a justiça, como se fosse daqueles que pretendem abusar das instâncias processuais para escaparem à justiça”, acrescentou.

O ex-banqueiro informou a justiça portuguesa de uma deslocação a Londres, mas, ao que tudo indica, terá abandonado solo britânico para um país terceiro, externo à União Europeia, que não terá acordo de extradição com Portugal.

Os advogados que representam o Banco Privado Português alertaram, na semana passada, o tribunal para o perigo de fuga de João Rendeiro

O antigo homem forte do BPP foi condenado, na terça-feira, a três anos e seis meses de prisão efetiva, por burla qualificada.

Também neste processo estavam acusados os ex-administradores Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital (o único presente no tribunal). O primeiro foi condenado a três anos de prisão e o segundo a dois anos e seis meses de prisão.

Na origem deste julgamento está a queixa do embaixador jubilado Júlio Mascarenhas que, em 2008, investiu 250 mil euros em obrigações do BPP, poucos meses antes de ser público que a instituição liderada por João Rendeiro estava numa situação grave e ter pedido um aval do Estado de 750 milhões de euros.

O tribunal decidiu que os ex-gestores do BPP terão ainda de pagar 225 mil euros por danos patrimoniais e 10 mil euros por danos morais a Júlio Mascarenhas.

Em maio deste ano, o tribunal condenou João Rendeiro a 10 anos de prisão efetiva.

O colapso do BPP, banco vocacionado para a gestão de fortunas, aconteceu em 2010, já depois do caso BPN e antecedendo outros escândalos na banca portuguesa.

As condenações foram pelos crimes de fraude fiscal, abuso de confiança e branqueamento de capitais resultam de um processo extraído do primeiro megaprocesso de falsificação de documentos e falsidade informática.

Já anteriormente, em outro processo também relacionado com o BPP, Rendeiro tinha sido condenado a cinco anos e oito meses de prisão efetiva.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    01 out, 2021 Madeira 19:00
    Então, acham que um homem habituado ao luxo, iria entregar-se numa cadeia? Sejamos sérios, este homem nunca teve essa intenção, por isso recorreu de tudo até ao final e rodeou-se de bons advogados, às tantas pagos com o dinheiro dos lesados. Só os juízes e outros, é que foram ingénuos, deixaram o homem viajar e com passaporte. Este senhor só poderia viajar até à terrinha mais próxima de casa. Esta nossa justiça dava um bom livro.
  • João Lopes
    30 set, 2021 Porto 08:33
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).
  • EU
    29 set, 2021 PORTUGAL 20:58
    DOIS ao lado dele. Porque será que são sempre os MESMOS? E porque razão são ELE a fazer perguntas sem RESPOSTA? Responda agora, mas sem RODEIOS. O TEMPO tem memória e há memória que não tem tempo.
  • Luis
    29 set, 2021 Loures 14:02
    Os mesmos (politicos) das burkas pretas , que metem na prisão, sem culpa formada e sem julgamento os que não gostam, são os mesmos que depois de três condenações permitem que o burlão goze em segurança o produto do saque, que provavelmete partilha com eles...
  • Bruno
    29 set, 2021 aqui 11:50
    Justiça da Idade Média. Demoram mais de uma década para julgar este homem e depois não antecipam o risco de fuga. Demasiado patético.
  • João Lopes
    29 set, 2021 Porto 11:02
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).
  • Cidadao
    29 set, 2021 Lisboa 10:25
    Por outras palavras, "pirou-se". Foi o que foi. Se havia risco de fuga, para mais em alguém com meios e contactos, não era de lhe retirar o passaporte? Agora assobiem-lhe às botas. Lancem um mandato de captura internacional a ver se a Justiça ainda vale de alguma coisa

Destaques V+