Tempo
|
A+ / A-

​Greve das rodoviárias. Sindicato quer solucionar problema de “mais trabalhadores com salário mínimo”

20 set, 2021 - 13:25 • Redação com Lusa

Paralisação das rodoviárias, que se prolonga até ás 3h00 de terça-feira, tem registado uma adesão entre os 75% e os 100%, diz a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

A+ / A-

O coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, garante que a greve desta segunda-feira nas rodoviárias pretende ser um sinal para os patrões para a questão de trabalhadores com o salário mínimo.

“[Esta greve] deve ser um sinal muito importante para que a associação patronal e as administrações das empresas venham à negociação e procurem, pela via daquilo que é normal, o diálogo, conseguirmos solucionar este problema e alterarmos esta situação de termos cada vez mais trabalhadores com o salário mínimo nacional”, diz José Manuel Oliveira.

A paralisação abrange cerca de 90 empresas de todo o país e prolonga-se até às 3h00 de terça-feira.

A adesão à greve oscila entre as 75% e os 100%, diz o sindicalista.

O responsável sublinha a "boa resposta" dos trabalhadores, frisando que a adesão à greve teve impacto "quer do ponto de vista do número de trabalhadores abrangidos, quer do ponto de vista do impacto do serviço público prestado pelo país, embora com diferenças nalgumas regiões e nalgumas empresas".

O Sindicato dos trabalhadores de Transportes Rodoviários Urbanos do Norte admite que a adesão está aquém do que era esperado. Ouvido pela Lusa, Manuel Alves fala de algum cansaço pela multiplicação das paralisações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+