Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Polícia Marítima dispersa ajuntamento de 40 pessoas em Cascais

22 ago, 2021 - 16:29 • Lusa

A Polícia Marítima interrompeu na noite de sábado um ajuntamento com cerca de 40 pessoas, com idades entre os 40 e os 50 anos, junto ao farol da Guia, no concelho de Cascais, distrito de Lisboa, foi hoje divulgado.

A+ / A-

A Polícia Marítima interrompeu na noite de sábado um ajuntamento com cerca de 40 pessoas, com idades entre os 40 e os 50 anos, junto ao farol da Guia, no concelho de Cascais, distrito de Lisboa, foi hoje divulgado.

Em comunicado, a Polícia Marítima refere que as pessoas "se encontravam em ambiente festivo, a ouvir música, a dançar e a consumir bebidas alcoólicas".

A intervenção deu-se perto das 21:00, no decorrer de uma patrulha daquela força policial, tendo as pessoas acatado as indicações dos agentes policiais e dispersado, segundo a mesma fonte.

Por decisão do Governo, anunciada na sexta-feira, deixa de vigorar a situação de calamidade e Portugal continental passou para o estado de contingência, no âmbito do qual o alívio de diversas restrições neste território previsto para o início de setembro foi adiantado para segunda-feira.

Porém, mantêm-se em vigor as normas de distanciamento social e a proibição de ajuntamentos em locais públicos.

A covid-19 provocou pelo menos 4.423.173 mortes em todo o mundo, entre mais de 211,3 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.639 pessoas e foram contabilizados 1.019.420 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+