Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Portugal está numa fase de “elevada intensidade, com tendência estável"

20 ago, 2021 - 14:21 • Redação

Pressão hospitalar está a diminuir, mas a mortalidade encontra-se acima do limiar definido pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, indica o relatório das linhas vermelhas do Instituto Ricardo Jorge e da DGS.

A+ / A-

Veja também:


A pandemia de Covid-19 está numa fase de “elevada intensidade, com tendência estável a nível nacional”, indica o relatório de monitorização das linhas vermelhas do Instituto Ricardo Jorge (INSA) e da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta sexta-feira

A pressão sobre os cuidados de saúde tem tendência decrescente, adianta o relatório.

Por outro lado, a mortalidade por Covid-19, manter-se-á provavelmente elevada, mas com tendência constante.

O número de novos casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, por 100 mil habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 312 casos, com tendência estável a nível nacional.

"Apenas no Algarve se observa uma incidência superior ao limiar de 480 casos em 14 dias por 100 mil habitantes (748)", adverte o documento de análise de risco.


Entre os maiores de 65 anos de idade, foram registados 115 casos de Covid-19 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

O índice de transmissibilidade Rt apresenta valor inferior a 1, indicando uma tendência estável a decrescente da incidência de infeções por SARS-CoV-2, a nível nacional (0,98) e nas regiões Norte e Lisboa e Vale do Tejo.

Nas regiões Centro, Alentejo e Algarve o R(t) é ligeiramente superior a 1, que corresponde a uma tendência de incidência constante a crescente nestas regiões.

Menos pressão hospitalar e mortalidade acima do limiar

O relatório conclui que a pressão sobre os hospitais tem vindo a diminuir. O número de doentes com Covid -19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente revelou uma "tendência estável a decrescente, correspondendo a 55% (na semana anterior foi de 66%) do valor crítico definido de 255 camas ocupadas".

A mortalidade provocada pela Covid-19 foi de 18,1 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, números que revelam uma "tendência estável", mas "acima do limiar preconizado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças", indica o relatório de monitorização das linhas vermelhas do Instituto Ricardo Jorge.


Portugal regista esta sexta-feira mais nove mortes e 2.507 novos casos de Covid-19, indica o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde a chegada da pandemia a Portugal, em março do ano passado, estão confirmadas 17.622 mortes e um milhão e 14 mil infeções (1.014,632).

O Conselho de Ministros reúne-se esta sexta-feira para avaliar a eventual antecipação do levantamento de algumas restrições na sequência da pandemia de Covid-19.

A reunião do Governo acontece depois de Portugal ter atingida a meta de 70% da população vacinada contra a Covid-19.

Na quinta-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse, contudo, que o levantamento de restrições não é automático em função da meta de vacinação alcançada.

De acordo com Marta Temido, serão tidos em consideração outros fatores como o índice de transmissão e a ocupação hospitalar.

Por isso, o Governo irá ter em conta o chamado relatório sobre as linhas vermelhas, que é publicado todas as sextas-feiras.

Matriz de risco

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+