Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Task force" queixa-se de atraso na comunicação de problemas no Queimódromo do Porto

18 ago, 2021 - 15:25 • Redação

Gabinete de Gouveia e Melo só foi informado um dia depois de ter sido detetado o problema na cadeia de frio, que afetou o processo de vacinação.

A+ / A-

Veja também:


A "task force" do plano de vacinação diz que só foi avisada um dia depois de terem sido detetados problemas na cadeia de frio e na inoculação verificados no Queimódromo do Porto.

O gabinete liderado pelo vice-almirante Gouveia e Melo explica, em comunicado divulgado esta quarta-feira, a fita do tempo dos acontecimentos que levaram à suspensão da vacinação naquele centro.

A quebra na cadeia de frio aconteceu a 9 de agosto (durante todo o dia) e a 10 de agosto (no período da manhã), até que o problema foi detetado pelos funcionários daquele centro a cargo da Unilabs.

"As vacinas estiveram armazenadas fora dos parâmetros normais de temperatura estabelecidos", recorda a nota.

"No entanto, esta comunicação só chegou ao conhecimento da task force, através da ARS Norte, ao final do dia de 11 de agosto, data a partir da qual foram dadas instruções, após rápida concordância do Ministério da Saúde, para suspender as operações deste centro de vacinação", sublinha a "task force".

De acordo com o grupo responsável pelo plano de vacinação, os funcionários do Queimódromo, quando se aperceberam do problema, a 10 de agosto, "interromperam a administração das vacinas dos lotes que tinham estado armazenados fora dos parâmetros adequados da cadeia de frio".

A "task force" adianta que, assim que foi informada, ao final do dia de 11 de agosto, "a ocorrência foi de imediato encaminhada para a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS), Polícia Judiciária (PJ) e Administração Regional de Saúde (ARS) Norte, tendo sido aberto um inquérito que se encontra em curso".

A vacinação foi suspensa no Queimódromo do Porto e teve início um processo de averiguações.

O inquérito tem três objetivos:

  • apurar "o que levou à quebra na cadeia de frio";
  • "os procedimentos efetuados por este centro, uma vez que a quebra na cadeia de frio não foi detetada, originando a inoculação de vacinas que estiveram armazenadas fora dos parâmetros normais de temperatura estabelecidos";
  • "O atraso na notificação da ocorrência, uma vez que a Task Force só teve conhecimento do sucedido no final da tarde de 11 de agosto, através da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte".

Uma decisão sobre a continuidade da vacinação no Queimódromo do Porto será tomada após serem conhecidos os resultados do inquérito.

A "task force" explica, por outro lado, que o Infarmed "solicitou aos fabricantes dos lotes de vacina em causa, de forma a apurar a eficácia das vacinas, encontrando-se a analisar os resultados".

Quanto aos utentes que foram inoculados, no centro de vacinação do Queimódromo, no dia 11 de agosto, "foram vacinados com lotes de vacinas requisitadas ao centro de vacinação do Regimento de Transmissões, que estiveram armazenadas dentro dos parâmetros adequados".

Os utentes alocados ao centro de vacinação do Queimódromo serão reencaminhados para o centro de vacinação do Regimento de Transmissões.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+