Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Vacinação dos 12 aos 15 anos. Continente criou "polémica bizantina", diz Miguel Albuquerque

03 ago, 2021 - 20:37 • Pedro Mesquita (entrevista) , André Rodrigues (texto)

Líder regional insiste que a vacinação é a medida acertada e, apontando o dedo ao Governo central, considera “penoso que os decisores políticos não tomem decisões e fiquem à espera de ouvir toda a gente, que é uma forma cómoda de não assumir responsabilidades”.

A+ / A-
Miguel Albuquerque
Miguel Albuquerque

Veja também:


O presidente do Governo Regional da Madeira acusa os decisores políticos de não quererem assumir as suas responsabilidades em matéria de vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos.

Em causa estão as posições antagónicas do Governos central e regional quanto à decisão de avançar com a imunização deste grupo etário.

A Madeira decidiu avançar com a vacinação de adolescentes e Miguel Albuquerque diz que a situação vivida no continente é uma “polémica bizantina”.

O líder regional diz, aliás, que não entende a decisão da tutela central.

Partindo do exemplo da região autónoma, onde “temos 1.630 jovens ou mais com idades inferiores a sete anos infetados” e “metade da taxa que temos de infetados, são jovens com menos de 17 anos”, Albuquerque conclui que “a solução é a vacina, porque está em causa a saúde dos jovens e a possibilidade de propagação a outras faixas etárias”.

“Não estou a perceber essa questão bizantina à portuguesa, que é uma coisa que adoram fazer no país. Por isso é que o país vai ficando para trás e nunca se decide nada”, critica.

Por outro lado, Miguel Albuquerque critica a postura do Governo central e considera “penoso que os decisores políticos não tomem decisões e fiquem à espera de ouvir toda a gente, que é uma forma cómoda de não assumir responsabilidades”.

O presidente do executivo madeirense lembra que, graças à autonomia regional, tem sido possível tomar as “decisões adequadas” a cada momento da pandemia.

“Fomos os primeiros a adotar a máscara. Houve, até, uma grande contestação nacional quando adotámos essa situação e, depois, o continente adotou. Em fevereiro, tínhamos sido alertados pelas instâncias internacionais que esta pandemia podia ter consequências devastadoras para a saúde pública e, por isso, em fevereiro, fomos a primeira região a ter um plano aprovado”, lembra Miguel Albuquerque.

“As decisões que tomámos tiveram consequências positivas, mas podiam ter tido consequências negativas. Agora, estar a ouvir toda a gente e não decidir nada vai atrasando o processo”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    04 ago, 2021 ILHAVO 05:45
    Eu não disse que a culpa seria sempre do "Continente" (como se vê, antes mesmo de qualquer outro problema)? Onde fica a "Nova Bizâncio" ? No "Continente" (para os lados de Belém) , na Madeira, ou em ambos os locais?
  • Bruno
    03 ago, 2021 aqui 19:59
    Polémica bizantina?! Excelente "soundbite" mas receio que poucas pessoas compreendam a ironia. Para quem não sabe, o Império Bizantino era o descente do Império Romano e perdurou até 1453, ano em que a capital Constantinopla (hoje chama-se Istambul) foi conquistada pelos turcos. Reza a lenda que na eminência de um ataque dos turcos contra o último reduto Bizantino, o Imperador decidiu participar numa discussão teológica sobre o sexo dos anjos em vez de organizar as defesas da cidade. O resultado é conhecido: Constantinopla caiu. Hoje em dia usa-se a expressão "discutir o sexo dos anjos" quando queremos assinalar que a conversa é fútil perante uma questão de importância superior. Neste caso da vacinação, o "sexo dos anjos" é a dúvida sobre se devemos vacinar ou não os pré-adolescentes quando enfrentamos uma ameaça superior que é a possibilidade de propagação do coronavirus após o regresso às aulas.

Destaques V+